Contagem

web counter free

domingo, 27 de novembro de 2022

Taça da Liga Allianz 2022-2023: 2ºJornada: Praticamente nos Oitavos

                                                                    BOAVISTA FC-1

UD VILAFRANQUENSE-0

Taça da Liga 2ºJornada Época 2022-2023

27 de Novembro de 2022 - 20h45
Estádio do Bessa Século XXI
Árbitro:Manuel Mota(A.F.Braga)


GR:Rafael Bracalli(C) GR:Pedro Trigueira
DC:Reggie Cannon DD:Léo Alaba
DC:Rodrigo Abascal DC:Gabriel Pereira
DC:Bruno Oneymaechi DC:Anthony Correia
EE:Ricardo Mangas DE:Eric Veiga
MC:Sebastien Pérez EE:Luís Silva
MC:Ibrahima Camara MC:Bernardo Martins
ED:Pedro Malheiro MC:André Ceitiel
PL:Salvador Agra ED:Balla Sangaré
PL:Robert Bozénik PL:Leandro Tipote
PL:Bruno Lourenço PL:Idrissa Dioh


Treinador:Petit   Treinador:Rui Borges

Cartões Amarelos:

Golos:


O Boavista continua em forma na Allianz Cup e voltou a bater um emblema do segundo escalão. Depois de derrotar a B SAD na primeira jornada, os axadrezados bateram este domingo o Vilafranquense (1-0), com o tento decisivo da partida a ser apontado por Yusupha. Num jogo com oportunidades para ambos os lados, Petit teve uma aposta certeira ao lançar Yusupha. O avançado, recém entrado na partida, finalizou um bom cruzamento de Ibrahima Camará e deu a vitória aos axadrezados, com os visitantes a não conseguirem reagir. Desta forma, o Boavista está na liderança do Grupo F, enquanto o Vilafranquense segue com um ponto. Este resultado obriga o Vitória SC a bater a B SAD para manter viva a luta pelo lugar de apuramento neste grupo. O confronto entre Conquistadores e Azuis está marcado para as 20h45 da próxima quinta-feira, 1 de dezembro.

sexta-feira, 18 de novembro de 2022

Taça da Liga Allianz 2022-2023: 1ºJornada: Finalmente a Vitória...

    

                                         BELENENSES SAD-2

BOAVISTA FC-3

Taça da Liga 1ºJornada Época 2022-2023

18 de Novembro de 2022 - 20h30
Estádio do Jamor(Oeiras)
Árbitro:João Gonçalves(A.F.Porto)



GR:Dylan Silva GR:César Dutra
DD:Jojó DC:Rodrigo Abascal
DC:Danny Henriques(C) DC:Vincent Sasso
DC:Martim Coxixo DC:Ricardo Mangas
DE:Henrique Gelain EE:Bruno Lourenço(Masaki Watai 96')
MC:Patrick Machado MC:Sebastien Peréz(C)(Ibrahima Camará 87')
MC:Nego Tembeng(Braíma Sambú 62') MC:Gaius Makouta
MC:Tomás Castro(Rúben Oliveira 83') ED:Luís Santos(Bernardo Conceição 36')
ED:Brian Saramago(Chico Teixeira 73') PL:Kenji Gorré(Miguel Reisinho 87')
PL:Edgar Pacheco(Kikas 62') PL:Yusupha Nije
EE:Jefferson Souza(Diogo Tavares 77') PL:Salvador Agra

Treinador:Nandinho    Treinador:Petit


 Cartões Amarelos:Luís Santos 32',Dylan Silva 54',Kikas 65',Jojó 69',Tomás Castro 71' e Chico Teixeira 76'.

Golos:Edgar Pacheco 20',Brian Saramago 24',Ricardo Mangas 37',Kenji Gorré 50' e Bruno Lourenço 58'.


Os axadrezados até estiveram a perder por 2-0 a certa altura, mas Petit regressou ao «seu» esquema tático, a equipa mudou de atitude e conseguiu uma grande reviravolta, vencendo a B SAD por 2-3 para entrar com o pé direito na Taça da Liga e terminar a sua série negativa de resultados. A atravessar uma má fase da época - sete jogos seguidos sem vencer -, o Boavista queria aproveitar esta Taça da Liga para dar a volta e Petit apostou praticamente na sua equipa titular, mas surpreendeu de certa forma ao mudar o desenho tático habitual, desta vez com um sistema de quatro defesas.

Os axadrezados entraram bem e o primeiro aviso até foi seu, com Salvador Agra a atirar ao ferro, de livre, mas defensivamente a equipa demonstrava um claro desconforto com  esta tática e defensivamente isso era evidente, de tal modo que a B SAD se foi mostrando atrevida e em quatro minutos, dos 20' aos 24', chegaram ao 2-0, primeiro numa transição rápida finalizada por Edgar e depois num canto, com um golpe de cabeça de Saramago. Petit estava claramente descontente e não teve receio de mexer ainda na 1ª parte, voltando ao sistema de cinco defesas e a verdade é que nesse exato momento Ricardo Mangas reduziu para o Boavista,, aos 37', numa bola parada. Esta mudança tática acabou por fazer toda a diferença e a verdade é que na 2ª parte praticamente só deu Boavista. O empate chegou cedo, com cinco minutos da 2ª parte, desta vez com Kenji Gorré a dar o melhor seguimento a uma bela arrancada de Makouta pela direita, mas as panteras não se ficaram por aqui, foram dominando e controlando a posse de bola e foi uma questão de tempo até confirmarem a reviravolta. Esta chegou pouco depois, aos 58', com Bruno Lourenço a finalizar uma bela jogada coletiva. Até final, o Boavista foi gerindo e até podia ter ampliado a vantagem, mas o 2-3 acabou por persistir até ao final e o Boavista regressou às vitórias, neste caso na Taça da Liga.

sábado, 12 de novembro de 2022

Liga Bwin 2022-2023: 13ºJornada: Honrem a Camisola

                             


   
                                                                                                                                                    
BOAVISTA FC-1

FC PORTO-4

Liga Bwin 13ºJornada Época 2022-2023

12 de Novembro de 2022 - 20h30
Estádio do Bessa Século XXI
Árbitro:Luís Godinho(A.F.Évora)


GR:Rafael Bracalli(C) GR:Diogo Costa
DC:Reggie Cannon DD:Pepê(Rodrigo Conceição 78')
DC:Vincent Sasso DC:Iván Marcano(C)
DC:Bruno Oneymaechi DC:Fábio Cardoso(Pepe 87')
EE:Ricardo Mangas DE:Wendell
MC:Gaius Makouta EE:Stephen Eustáquio(Bruno Costa 87')
MC:Ilija Vukotic(Ibrahima Camara 23') MC:Matheus Uribe
ED:Pedro Malheiro MC:Otávio
PL:Salvador Agra(Kenji Gorré 56') ED:Wenderson Galeno
PL:Yusupha Nije(Robert Bozénik 72') PL:Mehdi Taremi(Marko Grujic 78')
PL:Masaki Watai(Bruno Lourenço 56') PL:Evanilson(Toni Martínez INT)


Treinador:Petit   Treinador:Sérgio Conceição

Cartões Amarelos:Reggie Cannon 23',Ibrahima Camara 53',Reggie Cannon 57',Bruno Lourenço 60' e Matheus Uribe 89'.

Cartões Vermelhos:Reggie Cannon 57'.

Golos:Iván Marcano 41',Stephen Eustáquio 64',Wenderson Galeno 83',Kenji Gorré 92' e Wenderson Galeno 93'.



Antes da pausa mundialista, o dérbi da Invicta aqueceu a jornada 13 da Liga Bwin. Jogo de cartaz do qual o FC Porto saiu vencedor de forma folgada ao derrubar o eterno rival por 1-4. Os dragões dominaram um adversário abatido pelo momento de forma e que pode beneficiar para refrescar as ideias nos próximos tempos. A noite foi de Marcano, Eustáquio e Galeno, três jogadores em claro destaque nesta equipa comandada por Sérgio Conceição, que entra na interrupção com um momento de forma notável.

Tranquilo no pé do central goleador

No 145º dérbi da Invicta da história, Sérgio Conceição - ausente do banco - levou Pepe para o banco, em bom sinal para o Mundial, e Petit viu-se privado de um dos jogadores mais influentes, Seba Pérez, por motivos físicos. Curiosamente, o substituto, Vukotic, necessitou de sair ao intervalo devido a lesão. Especial por tudo o que representa, o jogo começou com mais FC Porto. Os primeiros 10 minutos, já característicos, foram dominados pela formação azul e branca, que deixou o adversário atónico com a pressão. Várias oportunidades - Bracali esticou-se para defender uma bola de Galeno - e uma falta de eficácia perigosa que poderia ter consequências futuras. Após esses minutos mais intensos por parte do campeão nacional, o Boavista entrou no jogo. Instigada pela ousadia de Petit, a Pantera não se inibiu: pressionou alto e condicionou, durante largos minutos, a saída de bola contrária, ainda que com dificuldades para criar situações de desequilíbrio. Foram largos minutos sem grandes incidências muito por culpa da postura destemida dos axadrezados,  que conseguiram equilibrar a balança. O problema é que, instantes antes do intervalo, El Capitán apareceu para o resgate. Um dos defesas com mais golo no historial do dragão, Marcano, na sequência de um canto, deu a liderança procurada pelos visitantes, que saíram de campo bem mais descansados com o resultado. E o espanhol está a um golo de igualar Telles no topo da hierarquia...

K.O com vermelho

Evanilson, lesionado, ficou nos balneários e o Boavista tinha a oportunidade, com um abanão do treinador, de não se deixar abater pelo golo sofrido numa fase crucial do encontro. Reggie Cannon foi expulso na segunda parte.

O jogo foi morno, mas as dificuldades da equipa do Bessa mantiveram-se. O FC Porto voltou a assumir as rédeas e a beneficiar de um domínio soft, embora cozinhando o golo da tranquilidade. Esse surgiu já após a expulsão de Reggie Cannon - muito castigado por Galeno esta noite. Eustáquio, também ele goleador na sua posição, fez o 0-2 com uma das habituais aparições na área adversária. Fresquíssimo para o Mundial. Bracali evitou males maiores e o controlo confortável dos portistas continuou a fazer-se sentir até aos golos de Galeno. Tirando um pontapé fulminante de Bozenik ao poste e um belo livre de Gorré, o Boavista pouco conseguiu criar junto da baliza de Diogo Costa, acusando o mau momento vivido. Com isso, a vitória 100 dos dragões sobre o eterno rival surgiu com tranquilidade antes da pausa prolongada para o Campeonato do Mundo.

domingo, 6 de novembro de 2022

Liga Bwin 2022-2023: 12ºJornada: Exigimos Respeito!


    RIO AVE FC-1

BOAVISTA FC-0

Liga Bwin 12ºJornada Época 2022-2023

6 de Novembro de 2022 - 15h30
Estádio dos Arcos em Vila do Conde
Árbitro:Rui Costa(A.F.Porto)



GR:Jhonatan Luiz GR:Rafael Bracalli(C)
DC:Aderllan Santos DC:Reggie Cannon(Robson Reis 92')
DC:Josúe Sá DC:Vincent Sasso
DC:Patrick William(Pedro Amaral 56') DC:Bruno Onyemaechi(Robert Bozénik 76')
EE:Paulo Vítor(Ukra 72') EE:Ricardo Mangas
MC:Vítor Gomes MC:Sebastien Peréz
MC:Guga Rodrigues MC:Ilija Vukotic(Bruno Lourenço 66')
MC:Miguel Baeza(Fábio Ronaldo 56') ED:Pedro Malheiro
ED:Costinha(João Ferreira 56') PL:Masaki Watai(Gaius Makouta 66')
PL:Yakubu Aziz PL:Yusupha Nije
PL:Emanuel Boateng(Renato Pantalon 81') PL:Salvador Agra(Kenji Gorré 66')

Treinador:Luís Freire    Treinador:Petit


 Cartões Amarelos:Paulo Vítor 22',Bruno Onyemaechi 45'+1',Pedro Amaral 60',Sebastien Perez 62' e João Ferreira 73'.

Golos:Boateng 64'.


O Rio Ave tem quatro vitórias na Liga Bwin. Ora, todas elas vieram em Vila do Conde e este domingo a «vítima» foi o Boavista. Um jogo de duas caras e que foi decidido em mais um golo de Boateng, que marcou os dois golos das últimas duas vitórias da equipa de Luís Freire. O arranque do jogo prometeu. Apesar de uma paragem para assistir Bracali, logo nos primeiros minutos vimos duas equipas a tentar explorar profundidade e, uma delas, o Boavista, a ter sucesso. Nesse caso, Yusupha aparece isolado, num lance que está explicado em baixo e que podia ter marcado a partida.

O problema é que depois desse lance as balizas quase que podiam ter sido retiradas do campo. Perceba-se que não estava a ser mal jogado, mas estava longe das áreas. O Rio Ave por várias vezes tentava dar «abanões» no jogo, mas havia sempre alguma coisas que não permitia dar seguimento objetivo aos lances. Fosse pelo meio, ou pelos flancos (destaque para Paulo Vítor), o espaço aparecia com algumas regularidade, especialmente porque os axadrezados voltaram a mostrar que se desposicionam com alguma facilidade nas transições. Por seu lado, o Boavista tentava na velocidade e, por vezes, tinham sucesso. Fosse pelo meio, onde Yusupha começa a dominar muito bem a arte da desmarcação, ou pela direita, onde Agra parece sempre ter um «botão turbo», a equipa de Petit ia conseguindo abrir espaço, mas quando era preciso decidir...

Balizas voltaram ao jogo

Os primeiros minutos da segunda parte mostrara-nos logo que íamos ter algo diferente. Logo a abrir uma bola na barra do Boavista (Emmanuel Boateng na sequência de um canto foi o 2º andar) e, pouco depois, Yusupha também a criar perigo num remate em jeito. Ia estando melhor o Rio Ave que acabou por marcar numa jogada «à Boavista». Profundidade (Sasso a dormir) e Boateng a aparecer isolado e a fuzilar Bracali. A reação axadrezada veio com dois falhanços incríveis de Yusupha, lançando os últimos minutos de um Boavista com dois pontas de lança e muito jogo perto da baliza do Rio Ave. Esse jogo resultou em mais uma oportunidade falhada por Yusupha (defesa de Jonathan) e, espante-se leitor, outra oportunidade falhada por...Yusupha. Esta última acabou mesmo por ser a mais flagrante e vai figurar nos falhanços do ano, bem ao lado de Delgado, do Paços de Ferreira. As coisas continuam complicadas para Petit e para o Boavista que, depois de um bom arranque, já vão em seis jogos em ganhar (4 derrotas) e, mais importante que isso, sem jogar bem. Já o Rio Ave volta a mostrar que vai ser difícil passar em Vila do Conde, onde já leva quatro vitórias em seis jogos.

domingo, 30 de outubro de 2022

Liga Bwin 2022-2023: 11ºJornada: Mais Um Ponto na Caminhada


                                                            BOAVISTA FC-2

FC VIZELA-2

Liga Bwin 11ºJornada Época 2022-2023

30 de Outubro de 2022 - 15h30
Estádio do Bessa Século XXI
Árbitro:Tiago Martins(A.F.Lisboa)


GR:Rafael Bracalli(C) GR:Fabijan Buntic
DD:Pedro Malheiro DD:Carlos Isaac
DC:Vincent Sasso DC:Bruno Wilson
DC:Reggie Cannon DC:Anderson Jesus
DE:Bruno Onyemaechi DE:Matheus Pereira(Tomás Silva 78')
MC:Gaius Makouta(Ilija Vukotic INT) MC:Raphael Guzzo
MC:Sebastian Perez MC:Samú Silva(C)
MC:Masaki Watai(Filipe Ferreira 89') MC:Alex Mendez(Sarmiento 85')
PL:Salvador Agra(Bruno Lourenço 68') EE:Kévin Zohi(Friday Etim 75')
PL:Martim Tavares(Yusupha Nije 39') PL:Milutin Osmajic
PL:Kenji Gorré(Robert Bozénik INT) ED:Kiki Bondoso(Diego Rosa 85')


Treinador:Petit   Treinador:Álvaro Pacheco

Cartões Amarelos:Masaki Watai 47',Matheus Pereira 59',Buntic 63',Bruno Onyemaechi 67',Bruno Lourenço 78',Raphael Guzzo 78',Anderson Jesus 82' e Tomás Silva 94'.

Cartões Vermelhos: Raphael Guzzo 83'.

Golos:Masaki Watai 4',Matheus Pereira 6',Kévin Zohi 28' e Yusupha Nije 78'(g.p).

Foi um jogo emotivo, com quatro golos e que aqueceu perto do fim. O Boavista esteve perto de dar a volta à fase mais difícil na temporada, mas desperdiçou uma de duas grandes penalidades que poderiam dar um triunfo que, por sua vez, permitiria a igualdade pontual com o Sporting (19 pontos). O Vizela colocou-se em vantagem durante largos minutos - mesmo entrando a perder - e não evitou a maior avalanche axadrezada na reta final, dando a sensação que, com uma gestão superior, conseguiria sair com uma vitória. Resultado que, ainda assim, se aceita face ao que aconteceu em campo durante os 90 minutos.

A lei da eficácia

Uma primeira parte que termina com três golos, sobretudo na I Liga, é sempre de salientar. Mas, tirando esses momentos, as duas equipas não conseguiram criar grandes oportunidades, tanto que essas acabaram no fundo das redes de ambas as balizas.

Curioso é que há mudanças que surtem efeito. Do lado do Boavista, Petit lançou Watai e o japonês demorou quatro minutos a deixar marca: remate fora da área que não deu hipótese a Buntic. Foi a entrada perfeita para um Boavista decidido a esquecer a má sequência de resultados e a dar um boost importante no capítulo psicológico que se revelou insuficiente. Isto porque a resposta do Vizela, bem conhecido pela sua alma guerreira, ter surgido dois minutos depois, pelo estreante absoluto Matheus Pereira, uma das novidades de Álvaro Pacheco no onze. Touché dos dois misters. O visitante saiu a sorrir, pois Zohi fez o 1-2, ao aproveitar uma recarga, e levou a formação minhota à vantagem nos primeiros 45 minutos. Poderia ter calhado para qualquer um dos lados, até porque, em termos de lances evidentes, pouco ou nada houve com o passar dos minutos. Nota, apenas, para a lesão de Martim Tavares, que saiu queixoso e de maca.

Do banco saiu a alma

Petit alterou duas peças e tirou dois elementos apagadíssimos - Makouta e Gorré -, mas nem por isso o Boavista conseguiu colocar a máquina a funcionar corretamente. Foi o Vizela quem teve mais iniciativa e ritmo. As oportunidades voltaram a não surgir com frequência, excetuando cruzamentos perigosos, e, quando aconteciam, a finalização era quase sempre desastrosa. Entre passes falhados de ambas as partes e algum jogo mais físico, o clima aqueceu já na reta final. Em dois lances, Yusupha, lançado ainda no primeiro tempo, sofreu duas grandes penalidades e, com frieza, finalizou uma delas, já que a segunda, batida para o mesmo lado, foi defendida por Buntic - o croata havia estado perto de defender a primeira. Galvanizado e em superioridade numérica devido à expulsão de Guzzo, o Boavista carregou em busca do 3-2, com Buntic a efetuar uma enorme defesa a remate de Bozenik perto dos 90 minutos. Do lado oposto, Bracali também impediu uma investida de Sarmiento e o resultado não mais se alterou.

domingo, 23 de outubro de 2022

Liga Bwin 2022-2023: 10ºJornada: Injusto

     

          VSC GUIMARÃES-3

BOAVISTA FC-2

Liga Bwin 10ºJornada Época 2022-2023

23 de Outubro de 2022 - 20h30
Estádio Dom Afonso Henriques em Guimarães
Árbitro:Fábio Veríssimo(A.F.Leiria)


GR:Bruno Varela(C) GR:Rafael Bracalli(C)
DC:Mikel Villanueva DC:Reggie Cannon
DC:André Amaro DC:Vincent Sasso
DC:Ibrahima Bamba(Nicolas Janvier 68') DC:Bruno Onyemaechi
DE:Afonso Freitas(Rúben Lameiras 54') EE:Ricardo Mangas
MC:Tiago Silva(Allison Safira 68') MC:Sebastien Peréz(Ibrahima Camará 77')
MC:André Andre MC:Gaius Makouta
ED:José Carlos(Jota Silva 77') ED:Pedro Malheiro
PL:Nélson da Luz PL:Kenji Gorré(Salvador Agra 64')
PL:Anderson Oliveira PL:Martim Tavares(Yusupha Nije 64')
PL:Mikey Johnston PL:Bruno Lourenço(Filipe Ferreira 87')

Treinador:Moreno    Treinador:Petit


 Cartões Amarelos:Ibrahima Bamba 3',Vincent Sasso 17',Martim Tavares 52',Gaius Makouta 52',Tiago Silva 56',Mikey Johnston 60',Bruno Lourenço 68',Sebastien Perez 74' e Ibrahima Camara 91'.

Cartões Vermelhos:Ricardo Mangas 41'.

Golos:Tiago Silva 20'(g.p),Vincent Sasso 45+3',Salvador Agra 71',Nicolas Janvier 87' e André Amaro 90'+3'.

Tal como nas histórias de conto de fadas, esta crónica também começa com o Era uma vez... Aqui houve heróis e vilões, um rei que tinha uma vida tranquila, sobreviveu ao xeque, mas acordou a tempo de resgatar um triunfo importante. O Vitória SC venceu o Boavista (3-2), num encontro que teve duas reviravoltas. Chuva, muita chuva, terreno pesado, bola com dificuldades em rolar e duelos em todo o lado. Os primeiros dez minutos não foram muito jogados. Houve falta de rigor e alguma anarquia. As defesas controlaram os ataques, mas o Vitória SC foi sempre mais intenso na busca da bola e em assumir o jogo.

Velocidade e muitos erros

Os minhotos perceberam que a rotação que tinham no jogo era bem mais forte e não perderam tempo em ferir a pantera. A primeira vez que o Boavista subiu as linhas da defesa foi apanhado a dormir na recuperação e Anderson Silva sofreu grande penalidade. Sasso foi a pantera que vestiu a pele de vilão. Tiago Silva colocou a equipa de Guimarães em vantagem. Foi o primeiro passo para a tranquilidade do Vitória, que somou logo de seguida vários lances de muito perigo. No entanto, a equipa de Moreno foi muito perdulária com Nelson da Luz e Johnston à cabeça. O escocês esteve perto de ser herói, mas foi vilão (já lhe contamos). A equipa da casa tinha tudo para ter um jogo tranquilo, até porque em cima do intervalo Mangas foi expulso. Mesmo estando com menos um, o Boavista não tremeu e conseguiu fazer o empate, depois de um erro de Johnston. Sasso redimiu-se do erro da grande penalidade e fez o empate.

Querem emoção? É preciso ter calma

A segunda parte apresentou-se com tudo para ser entretida, mas os jogadores guardaram o melhor para a parte final. Em boa verdade, só com o banco é que tudo ganhou outra energia. Agra e Yusupha obrigaram a linha defensiva do Vitória a subir menos, Lameiras e Jota perceberam que o lado esquerdo dos axadrezados era o elo mais fraco e tudo ficou clarinho. O Boavista optou pelas saídas rápidas, depois de estar muito concentrado na última linha (bastante coeso também a aguentar pressão). A equipa de Petit colocou o Estádio D. Afonso Henriques em sentido, quando Agra fez a cambalhota no marcador.

Havia 20 minutos para jogar e o que aconteceu a seguir foi um assalto minhoto à baliza de Bracali. A equipa de Moreno não abdicou de construir pelas alas e com cruzamentos para área, onde Anderson Silva já tinha a companhia de Safira. O titular conseguiu marcar duas vezes, mas foi, sempre, apanhado em fora-de-jogo. O Vitória conseguiu o empate com um remate de ressaca e já depois dos 90 minutos, André Amaro desviou um cruzamento de Lameiras e fez com que o suspense do resultado se mantivesse até ao final. Os minhotos conseguem manter um registo notável na temporada, ultrapassam o Boavista na tabela classificativa e marcaram, pela primeira vez na época, três golos na Liga.

domingo, 16 de outubro de 2022

Taça de Portugal 2022-2023: 3ºEliminatória:Eliminados da Taça

       


 
                                                                                                                                                   
AD MACHICO-1

BOAVISTA FC-0

Taça de Portugal 3ºEliminatória Época 2022-2023

16 de Outubro de 2022 - 15h
Estádio do Machico(Ilha da Madeira)
Árbitro:André Narciso(A.F.Setúbal)

GR:Duarte Nuno GR:João Gonçalves
DD:Wesley DC:Robson Reis(Ilija Vukotic INT)
DC:Claúdio Teixeira DC:Vincent Sasso
DC:Francisco Aguilar DC:Bruno Onyemaechi
DE:Léo Andrade EE:Ricardo Mangas
MC:Kennedy Nascimento(João Saldanha 62') MC:Sebastien Peréz(C)
MC:Vínicius MC:Gaius Makouta(Robert Bozénik INT)
MC:Ricardo Fernandes ED:Pedro Malheiro
ED:André Santos(Mateus Neri 9')(Sunday Akoh 73') PL:Salvador Agra(Bruno Lourenço 71')
PL:Roberto Gouveia PL:Yusupha Nije(Martim Tavares INT)
EE:Emanuel Santos PL:Masaki Watai(Kenji Gorré 61)

Treinador:João Manuel Pinto    Treinador:Petit


 Cartões Amarelos:

Golos:Roberto Gouveia 45'.

domingo, 9 de outubro de 2022

Liga Bwin 2022-2023: 9ºJornada: Contra Tudo e Contra Todos! Incomodamos Muita Gente!


                                                         BOAVISTA FC-1

CS MARÍTIMO-1

Liga Bwin 9ºJornada Época 2022-2023

9 de Outubro de 2022 - 15h30
Estádio do Bessa Século XXI
Árbitro:Luís Godinho(A.F.Évora)



GR:Rafael Bracalli GR:Matous Trmal
DC:Bruno Onyemaechi DC:Rafael Brito
DC:Rodrigo Abascal(Martim Tavares 72') DC:João Afonso
DC:Vincent Sasso DC:Léo Andrade
EE:Ricardo Mangas EE:Diogo Mendes
MC:Sebastian Pérez MC:Stefano Beltrame(Edgar Costa 84')
MC:Gaius Makouta MC:Fábio China(Clésio Baúque 75')
ED:Pedro Malheiro ED:Claúdio Winck
PL:Salvador Agra(Masaki Watai 79') PL:Bruno Xadas(Matheus Costa 75')
PL:Yusupha Nije PL:Joel Tageau(Jesús Ramirez 91')
PL:Bruno Lourenço(Kenji Gorré 66') PL:André Vidigal

Treinador:Petit   Treinador:João Henriques

Cartões Amarelos:Pedro Malheiro 45+3',Salvador Agra 75',Léo Andrade 88',Rafael Brito 88',Edgar Costa 88',João Afonso 92' e Jesús Ramirez 97'.

Golos:Sebastien Pérez 23' e André Vidigal 57'.

Quem iria reagir melhor?  A equipa que foi goleada na última jornada, ou a equipa que estava numa série de oito derrotas seguidas? Bem, podemos dizer que as duas equipas tiveram momento de reação e momentos de desnorte. Tudo isso valeu num empate (1-1). O Marítimo não conseguiu vencer, esteve mal em vários momentos do jogo, mas quase vencia o Boavista em pleno estádio do Bessa. Um jogo que deixará os dois treinadores preocupados, mas também confiantes que os bons momentos de cada equipa quase davam vitória.

Tão pouco Marítimo

A partida começou num bom ritmo. O Boavista entrou bastante agressivo (no bom sentido, atenção) e teve logo um golo bem anulado. O Marítimo reagiu com Winck quase a fazer um golaço, algo que Bruno Lourenço tentou imitar, acertando na trave. Isto tudo serviu para não nos lembrarmos de como anda a jogar este Marítimo, mas a realidade não se escondeu por muito mais tempo. Oito derrotas seguidas, dois treinadores e um saldo de golos tão negativo tem de pesar sobre os jogadores e os últimos 20/25 minutos da primeira parte são o espelho desse peso. Jogadores nervosos, perdas de bola, faltas de atenção e, especialmente, muito pouco futebol. O Boavista aproveitou isso para defender de forma perfeitamente tranquila (insulares parecia que só queria livres para despejar a bola na área) e para explorar as imensas fragilidades defensivas do adversário. O golo da equipa de Petit apareceu de forma natural, com um lance que começa na esquerda, varia com um passe de muitos metros para a esquerda e Pedro Malheiro teve tempo e espaço para chegar à linha e colocar a bola na cabeça de Seba Pérez que, espante-se, estava completamente sozinha na pequena área. Para além disto, Agra esteve perto de marcar, num lance «à Agra» e Yusupha perdeu o 2-0 completamente isolado (defesa de Tremal e recarga ao lado de Lourenço) depois de João Afonso ter perdido a bola de forma amadora. Do lado da equipa de João Henriques, o destaque vai para um verdadeiro falhanço de Vidigal, atirando por cima em grande posição, já depois de Bracalli ter falhado a abordagem a um cruzamento.

Que se passou Boavista?

O desporto, e neste caso o futebol, tem coisas muito singulares. Quem poderia imaginar que, depois dos primeiros 45 minutos, íamos ver o que vimos no segundo tempo, com o Boavista a desligar de forma impressionante? E nem começou assim. Aliás, os primeiros momentos do segundo tempo davam a clara impressão que os axadrezados iam acabar por fazer o 2-0 mais cedo, ou mais tarde. A facilidade com que o os flancos defensivos do Marítimo eram ultrapassados faziam prever isso. Só  que depois veio o erro de Seba e a magia de Xadas e Vidigal. O médio do Boavista (até então o melhor em campo) foi displicente e perdeu uma bola perto da área e os dois jogadores do Marítimo trabalharam de forma perfeita para deixar o último na cara de Bracalli. Apesar do domínio e frieza de Vidigal, o destaque tem de ir para o passe de Xadas... Ora, esse momento abanou e muito o Boavista que só não ficou a perder pouco depois porque Joel Tagueu acertou na barra na marcação de uma grande penalidade. É a segunda vez que o avançado acerta nos ferros na marcação de uma grande penalidade, sendo que são já vários os remates ao poste/barra que Tagueu tem nesta temporada, que está a ser para esquecer para um dos bons avançados da nossa Liga. O penálti falhado acordou o Boavista que voltou a carregar na área do Marítimo tendo mesmo criado alguns lances de perigo junto da baliza de Trmal. Só que o mal estava feito e os pontos foram mesmo perdidos. O Marítimo ainda não venceu, mas se a segunda parte mostrou alguma coisa a João Henrique foi que a equipa tem pernas e qualidade para mais. O problema é que quando se está mal até os postes parecem mais largos.

domingo, 2 de outubro de 2022

Liga Bwin 2022-2023: 8ºJornada: Terceira Derrota da Época

                                                                                                                                                                       FC FAMALICÃO-4

BOAVISTA FC-0

Liga Bwin 8ºJornada Época 2022-2023

2 de Outubro de 2022 - 20h30
Estádio Municipal de Famalicão
Árbitro:Gustavo Correia(A.F.Porto)




GR:Luiz Júnior GR:César Dutra
DD:Alexandre Penetra DC:Vincent Sasso
DC:Enea Mihaj DC:Rodrigo Abascal(Martim Tavares INT)
DC:Riccieli(C) DC:Robson Reis
DE:Rúben Lima EE:Bruno Onyemaechi
MC:Pelé MC:Sebastien Peréz(C)
MC:Santiago Colombatto(Théo Fonseca 66')(Francisco Moura 80') MC:Gaius Makouta(Ibrahima Camara 77')
MC:Zaydou Youssouf ED:Pedro Malheiro
ED:Ivo Rodrigues(Rui Fonte 87') PL:Kenji Gorré(Salvador Agra INT)
PL:Álex Millán(Jhonder Cádiz 66') PL:Robert Bozeník(Yusupha Nije INT)
EE:José Luís Rodríguez(Gustavo Assunção 67') PL:Bruno Lourenço(Masaki Watai 70')

Treinador:João Pedro Sousa    Treinador:Petit


 Cartões Amarelos:Rodrigo Abascal 24',Ivo Rodrigues 32',Pedro Malheiro 60' e Vincent Sasso 68'.

Golos:Ivo Rodrigues 25',José Luís Rodríguez 44',Zaydou Youssouf 52' e Gustavo Assunção 87'.

Uma noite em cheio. Pode dizer-se que inesperada - mas muito merecida pela exibição -, até pela pela forma do Boavista, mas o Famalicão goleou a Pantera por uns esclarecedores 4-0, castigando uma versão apática da equipa de Petit. Puma Rodríguez foi a grande figura da partida. Marcou um, assistiu para dois e esteve em evidência na segunda vitória famalicense da Liga Bwin 2022/23, que foi amplamente festejada pelas gentes da casa.

A primeira parte foi dele

O regresso de João Pedro Sousa a Famalicão era a principal nota desta receção a um motivado Boavista. O 4-3-3 predileto do mister voltou à ação, com Penetra à direita, e teve um felino em evidência.

Se a Pantera praticamente não se encontrou em campo, Puma assumiu protagonismo. Falhou, logo a abrir e de forma escandalosa, uma oportunidade flagrante, mas redimiu-se ao estar envolvido nos dois golos famalicenses. O Famalicão, de facto, apareceu de cara lavada. Méritos e deméritos a parte, os visitados foram superiores a um adversário mais macio e mais desligado que o habitual. Confortável a jogar em campo aberto, tanto a apostar na largura como na ocupação dos espaços, a turma axadrezada simplesmente não se encontrou. Para desespero de Petit, pois claro, ele que, do banco, exigiu, várias vezes, mais raça e agressividade nos duelos. Com maior segurança atrás, os médios do Famalicão aventuraram-se mais em zonas ofensivas. Bruno, do lado visitante, e Puma Rodríguez, do lado anfitrião, assumiram protagonismo, mas o internacional panamenho levou a melhor. Dois trabalhos com mestria que fecharam uma primeira parte de grande satisfação para os adeptos presentes: um deles deu em cabeceamento certeiro de Ivo Rodrigues e o segundo, num lance individual, fez crescer água na boca. Ao segundo jogo, o primeiro como titular, o extremo ex-Alavés mostrou dotes interessantes.

Petit mexeu... E Puma não desapareceu

Três mudanças de uma assentada. Martim Tavares, Yusupha e Salvador Agra substituíram os desinspirados Bozeník, Gorré e Abascal e o Boavista passou a ser um pouco mais atrevido, continuando, ainda assim, a apostar no flanco esquerdo.

As aproximações foram algo tímidas - tal como os remates - e o Famalicão nunca se desencontrou, mantendo sempre níveis de concentração elevados. Embora mais solta e intensa, a Pantera acabou, novamente, por vacilar em termos defensivos, pecando pela falta de agressividade. Quem não quis perder protagonismo foi... Puma Rodríguez, pois claro. De mais uma das suas arrancadas nasceu o terceiro, por parte de Zaydou, que deixou João Pedro Sousa bastante tranquilo. Tirando uma bola à barra de Yusupha, a dificuldade do Boavista em criar situações - os cruzamentos foram quase todos barrados - foi notória, tanto que a dupla Riccieli-Mihaj varreu praticamente tudo. Já na reta final, e novamente fruto de uma abordagem defensiva infeliz, Gustavo Assunção desviou, de cabeça, para o fundo das redes de um desamparado César, fixando uma improvável goleada.



sábado, 17 de setembro de 2022

Liga Bwin 2022-2023: 7ºJornada: Terceira Vitória Seguida

 

                                                         BOAVISTA FC-2

SPORTING CP-1

Liga Bwin 7ºJornada Época 2022-2023

17 de Setembro de 2022 - 20h30
Estádio do Bessa Século XXI
Árbitro:João Pinheiro(A.F.Braga)

GR:César Dutra GR:António Adán
DC:Reggie Cannon DC:Gonçalo Inácio
DC:Rodrigo Abascal(Ricardo Mangas 67') DC:Sebastien Coates(C)(Ricardo Esgaio 71')
DC:Vincent Sasso DC:Matheus Reis
EE:Bruno Onyemaechi EE:Nuno Santos(Paulinho 75')
MC:Sebastian Pérez(C)(Robson Reis 97') MC:Manuel Ugarte
MC:Gaius Makouta MC:Hidemasa Morita(Rochinha 86')
ED:Pedro Malheiro ED:Pedro Porro
PL:Kenji Gorré(Salvador Agra 67') PL:Pedro Gonçalves
PL:Robert Bozénik(Martim Tavares 75') PL:Marcus Edwards
PL:Bruno Lourenço(Ibrahima Camará 96') PL:Francisco Trincão(Arthur Gomes 75')

Treinador:Petit   Treinador:Rúben Amorim

Cartões Amarelos:Rodrigo Abascal 31',Pedro Gonçalves 35',Sebastian Perez 35' e Pedro Malheiro 98'.

Golos:Bruno Lourenço 45+2',Marcus Edwards 55' e Bruno Lourenço 83'(g.p).

...Apareceu o Boavista. É verdade, aquele Sporting que derrotou o Tottenham e o Eintracht Frankfurt foi travado com toda a classe no Bessa. Os leões somaram a terceira derrota (2-1) em sete jogos no campeonato, perante a equipa de Petit que já não tem muito por onde esconder a qualidade que há no Bessa. Durante este tempo passou «despercebida», mas agora está na altura de o assumirmos: O Boavista joga muito e aquele rótulo de Petit é para arquivar e um dia será dito «e quando as equipas de Petit eram só de garra?». Rúben Amorim e Petit não mexeram e percebe-se. O Boavista vinha de uma vitória (sofrida) em Arouca e o Sporting de uma noite de glória contra o Tottenham. Ainda assim, e claro que só podemos dizer isto no final do jogo, podia ter feito sentido dar alguma frescura à equipa. Sentiu-se essa falta...

O domínio e a «esperteza»

O bom ritmo da partida foi imposto logo a abrir. Jogo «rasgadinho», com natural sinal mais, mas com o Boavista sempre muito inteligente na forma como explorava as subidas de Porro. Gorré era o homem que tinha essa missão e cumpriu-a. Foi mesmo nesse sentido que apareceu o primeiro lance de perigo, com Bozenik a rematar para defesa tranquila de Adán. Depois desse aviso o Boavista viveu a pior fase. O Sporting conseguiu encontrar o espaço nas costas dos dois médios dos axadrezados e os problemas começaram a aparecer. Edwards fazia bem a missão e, de forma natural, as oportunidades sucederam-se. Nos dois lances mais perigoso houve um golo bem anulado a Pote e uma bola na barra de Trincão. O problema do Sporting é que, mesmo jogando bem, não conseguia tirar o espírito ao Boavista. Os axadrezados conseguiam quase sempre sair a jogar com qualidade e com relativo perigo e isso não deixava o leão «esmagar» a pantera. Foi numa dessas saídas que veio o golo. Gorré (sempre ele) correu, sentou Coates e rematou para o bloco de Inácio. Na recarga apareceu Bruno Lourenço que, «à Zidane», fez um verdadeiro golaço.

A arma secreta volta a atacar

Como seria de esperar, a reação do Sporting foi intensa no arranque da segunda parte. A equipa trouxe mais verticalidade ao jogo e isso resultou no empate, ainda cedo. Edwards marcou de cabeça (toda a defesa do Boavista a dormir), mas o destaque vai para um cruzamento de letra de Nuno Santos. Curiosamente, o golo não deu ao leão a força para começar uma avalanche de oportunidades. Os três da frente passaram a não conseguir encontrar o espaço entrelinhas que vinham encontrando nos minutos anteriores e, novamente, o Boavista tinha facilidade em sair em ataques rápidos e, claro, por Gorré. Com o jogo totalmente em aberto, Petit recorreu à sua arma secreta. Martim Tavares entrou lutou com tudo e arrancou uma grande penalidade ao infeliz Esgaio, a quem parece que tudo corre mal. Bruno Lourenço fez o 2-1 e lançou o Sporting para uma aflição e correria que em pouco resultou até final. Estamos na 7ª jornada e o Sporting pode ficar a 11 pontos da liderança da Liga. Já perdeu por três vezes, empatando outra...São já muitos pontos. Já o Boavista...Tem de começar a assumir outras ambições, porque a qualidade está lá.