Contagem

web counter free

terça-feira, 25 de janeiro de 2022

sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

Liga Bwin 2021-2022: 19ºJornada: Empate Soube a Pouco

 FC P.FERREIRA-1

BOAVISTA FC-1

Liga Bwin 19ºJornada Época 2021-2022

21 de Janeiro de 2022 - 21h15
Estádio Capital do Móvel em Paços de Ferreira
Árbitro:Manuel Oliveira(A.F.Porto)


GR:Jeimes Menezes GR:Rafael Bracalli(C)
DD:Fernando Fonseca DC:Reggie Cannon
 DC:Marco Baixinho(C) DC:Jackson Porozo
DC:Maracás DC:Rodrigo Abascal
DE:Antunes EE:Yanis Hamache
MC:Luiz Carlos(Matchoi Djaló 88') ED:Nathan Santos(Jeriel de Santis 77')
MC:Stephán Eustáquio MC:Sebástian Perez
MC:Nuno Santos(Hélder Ferreira 69') MC:Gaius Makouta
PL:Uilton Silva PL:Paul-Georges Ntep(Kenji Gorré 54')
PL:Lucas Silva(Mohamed Diaby 69') PL:Petar Musa
PL:João Pedro PL:Gustavo Sauer(Luís Santos 94')

Treinador:César Peixoto     Treinador:Petit

Cartões Amarelos:Yanis Hamache 39',Rafael Bracalli 45',Kenji Gorré 54',Lucas Silva 70',Ilija Vukotic 75',Jeimes Menezes 77',Mohamed Diaby 79',Jeriel de Santis 81',Maracás 86' e Reggie Cannon 92'.

Golos:Antunes 42'(g.p) e Kenji Gorré 85'.


Nada separava estas duas equipas na tabela da Liga Bwin, e assim continuará a ser depois da divisão de pontos na capital do móvel. O Boavista registou o resultado de 1x1 pelo quarto jogo consecutivo, num duelo em que teve de lutar até ao fim para conseguir aquilo que durante muito tempo mereceu: o golo. O Paços de Ferreira, também em ascensão com o novo treinador, esteve perto de inverter a história recente e vencer após nove jogos sem o fazer frente aos axadrezados, mas um golpe final da equipa visitante ditou uma dezena de jogos sem uma vitória neste confronto.

Sorriso amarelo

Mesmo com Gorré de regresso aos convocados após isolamento, o Boavista apareceu com o mesmo onze que conseguiu um empate frente ao Gil Vicente e a resposta foi positiva. Os axadrezados mostraram conforto no jogo e foram, de longe, a equipa com mais oportunidades, ainda que estas não se traduzissem em golo.

No regresso de Petit a uma casa onde não foi feliz, o sorriso voltou a ficar perdido em alguns dissabores. Seba Pérez falhou isolado, Ntep perdeu um lance ainda mais perigoso, Makouta ameaçou o golo de cabeça e Musa encontrou a trave. Muita infelicidade dos visitantes. Já a equipa da casa, tímida e por vezes atrapalhada pela pressão adversária, foi personificada por um dos seus elementos: o estreante Jeimes Menezes. O jovem guarda-redes de apenas 20 anos, que teve uma oportunidade dourada na ausência de Jordi e André Ferreira, resumiu a sua equipa por ser capaz do melhor e do pior. Tanto revelou nervosismo e alguma precipitação como fez grandes defesas, da mesma forma que os castores, que criaram poucos problemas, conseguiram marcar de grande penalidade e chegar à vantagem.

Fazer das tripas Curaçao

Foi já depois de uma intervenção decisiva do VAR, que impediu a expulsão de Abascal, que o Paços de Ferreira chegou à vantagem numa grande penalidade convertida por Antunes. A equipa da casa levou o 1x0 para o intervalo, mas não era mais do que um sorriso amarelo, forçado, porque as debilidades foram evidentes e a segunda parte seria uma continuação da história que se contou nos primeiros 45 minutos, com o Boavista a ameaçar o golo em inúmeras ocasiões.

Aliás, se na primeira parte o Boavista tinha rondado a baliza de Jeimes, no segundo tempo apertou o cerco e chegou a ver a bola a passar perto da linha de golo em duas ocasiões, sendo que a bancada boavisteira só conseguiu finalmente celebrar já depois da equipa de César Peixoto ter tido a sua grande ocasião, num lance em que Maracás atira ao poste. Foi Kenji Gorré, homem numa missão desde a sua entrada aos 54 minutos, a trazer a festa. O internacional por Curaçao tinha vindo a causar muitos problemas, mas ainda não se evidenciara ao ponto de ser indiscutivelmente o homem do jogo. Isso foi só depois de decidir o jogo, num lance em que conduz para dentro, ao jeito do seu pé direito, e curvou a bola de forma deliciosa para roubar um ponto... e o espetáculo.


sábado, 15 de janeiro de 2022

Liga Bwin 2021-2022: 18ºJornada: Mais Um Ponto na Caminhada


                                                            BOAVISTA FC-1

GIL VICENTE FC-1

Liga Bwin 18ºJornada Época 2021-2022

 15 de Janeiro de 2022 - 15h30
Estádio do Bessa Século XXI
Árbitro:Fábio Melo(A.F.Porto)

GR:Rafael Bracalli(C) GR:Ziga Frelih
DC:Reggie Cannon DD:Zé Carlos(Emmanuel Hackmann 85')
DC:Jackson Porozo DC:Lucas Cunha
DC:Rodrigo Abascal(Filipe Ferreira 73') DC:Rúben Fernandes(C)
ED:Nathan Santos DE:João Talocha
MC:Gaius Makouta MC:Pedrinho
MC:Sebastian Perez MC:Vítor Carvalho
EE:Yanis Hamache MC:Kanya Fujimoto(Giorgi Aburjania 62')
PL:Gustavo Sauer ED:Murilo Souza(Antoine Léautey 62')
PL:Petar Musa PL:Fran Navarro(Élder Santana 94')
PL:Paul-Georges Ntep(Jeriel de Santis 73') EE:Samuel Lino


Treinador:Petit   Treinador:Ricardo Soares

Cartões Amarelos:Vítor Carvalho 85',Jackson Porozo 88' ,Jeriel de Santis 91',João Talocha 93' e Reggie Cannon 93'.

Golos:Gaius Makouta 4' e Samuel Lino 68'.

A fúria de viver de uns, a boa teimosia de outros, um empate. Estilos antagónicos anularam-se no Bessa, fortaleza de uma pantera que dá sinais de crescimento, mas que ainda lida com as dores do mesmo. O Gil, mais confortável numa ideia que persegue e aceita há mais tempo, agarrou um ponto através da ‘finesse’ de Samuel Lino na finalização. Um craque a crescer em Barcelos às mãos de Ricardo Soares. Os axadrezados saltam para os 18 pontos, o Gil sobe aos 27 e continua a cheirar o perfume da zona-UEFA. Também está bem.

Musa não se limita a posar para Makouta

O poder inteligente de Makouta, a capacidade de roubar bolas de Seba Pérez, a movimentação imprevisível de Musa. Três pilares-chave para a primeira parte fortíssima do Boavista, a dar poucas ou nenhumas hipóteses à posse de bola do Gil Vicente.

O golo madrugador de Makouta – belo golpe de cabeça, após canto na esquerda – deixou os axadrezados como queriam. Confortáveis a controlar o ataque organizado do Gil em bloco medio/baixo e perigosos a saírem por Ntep (na esquerda) e Musa (em todo o lado). Musa voltou a provar ser um avançado interessantíssimo. Não se limitou a posar para a fotografia, mexeu-se sempre, ofereceu-se ao jogo e não merecia ter de lidar com a anulação de dois golos – ambos após validação do VAR, o segundo de forma dfícil de perceber. O Gil esteve em dificuldades, tardou a incomodar Bracali, mas teve o grande mérito de nunca abandonar os princípios defendidos por Ricardo Soares. Bola, bola, receção, passe, apoio frontal, muita paciência.

Foi premiado aos 67 minutos. Pedrinho identificou uma brecha na muralha portuense, o passe saiu perfeito e a definição de Samuel Lino fez o resto. A recompensa pela crença numa ideologia, mesmo na dificuldade.

Petit dá mais qualquer coisa

Quinto jogo com o treinador Petit no Bessa, duas vitórias e três empates. O Boavista reconstrói-se dentro das muralhas, cresce para voltar a ser grande e nenhum treinador conhece melhor essa ambição do que Petit. Esqueçam o homem que só quer defender e dar porrada, isso não existe. Petit organiza bem a equipa, lê-lhe as limitações, mas pede bom futebol e atrevimento com bola. Mesmo depois do golo do Gil, uma das melhores equipas da Liga, o Boavista teve força para voltar a assustar Frelih e cheirar o 2-1. Não foi suficiente, embora a equipa dê já garantias de que para passar no Bessa vai ser preciso ser muito, muito forte. A fúria de viver promete mundos e fundos; a teimosia ideológica continua a semear pontos. 

sábado, 8 de janeiro de 2022

Liga Bwin 2021-2022: 17ºJornada: Novo Empate na Estreia no Ano Civil


                                                     BOAVISTA FC-1

CD TONDELA-1

Liga Bwin 17ºJornada Época 2021-2022

 8 de Janeiro de 2022 - 20h30
Estádio do Bessa Século XXI
Árbitro:Miguel Nogueira(A.F.Lisboa)

GR:Rafael Bracalli(C) GR:Pedro Trigueira
DC:Reggie Cannon DD:Bebeto(Ricardo Alves 80')
DC:Tiago Llori(Kenji Gorré INT) DC:Modibo Sagnan
DC:Rodrigo Abascal DC:Manu Hernando
ED:Nathan Santos DE:Neto Borges
MC:Gaius Makouta(Jeriel de Santis 67') MC:João Pedro(C)(Tiago Dantas 80')
MC:Sebastian Perez MC:Pedro Augusto
EE:Yanis Hamache MC:Rafael Barbosa
PL:Gustavo Sauer ED:Salvador Agra(Tiago Arcanjo 92')
PL:Petar Musa PL:Renat Dadashov
PL:Paul-Georges Ntep(Ilija Vukotic 54') EE:Naoufel Khacef(Tiago Almeida 66')


Treinador:Petit   Treinador:Pakó Ayestarán

Cartões Amarelos:Pedro Augusto 23',Nathan Santos 24',Sebastien Perez 75' e Jeriel de Santis 92'.

Golos:Salvador Agra 71' e Jeriel de Santis 88'.

O empate, no Boavista x Tondela, foi mais feliz para os beirões que para os portuenses. A equipa de Petit fez um jogo de grande nível, mas foi traída por uma estratégia que tantas vezes o, agora, treinador dos axadrezados vai usando, o contra-ataque. Ainda assim, teve capacidade de resgatar um ponto, jogando em casa. O Boavista não teve problemas em tomar conta do encontro, desde o primeiro minuto. As panteras, rapidamente, instalaram-se no meio campo ofensivo, com trocas de bola rápidas, movimentos de profundidade dos laterais, mas com a zona interior a ser a mais criativa.

Boavista à antiga

A turma de Petit desdobrava o 3x4x3, num 3x5x2 e deu muita liberdade para que Sauer e Makouta pudessem explorar o meio campo do Tondela. O poder físico dos axadrezados fez com que os portuenses ganhassem mais duelos e estivessem sempre mais perto da baliza de Trigueira. No entanto, estar perto, não foi sinónimo de grandes ocasiões de golo. Boavista teve mais posse de bola no encontro.

Era um Boavista como antigamente, pressionante, acutilante e que deu muito ao jogo, mas que o jogo não respondeu na mesma moeda. O Tondela teve muitas dificuldades em perceber o que fazer no jogo. Os beirões apostaram, invariavelmente, no contra-ataque, mas as panteras souberam controlar quase todos os lances. Apenas Rafael Barbosa esteve próximo do golo, num lance individual.

Arriscar e não defender o risco

Golpe de asa de Petit ao intervalo: Com Ilori lesionado, o treinador do Boavista colocou Gorré e tudo mudou nas panteras. A equipa da cidade do Porto passou a jogar com quatro defesas e nos primeiros minutos deu-se muito bem. Gorré trouxe frescura ao lado esquerdo e, juntamente, com Hamache colocou Bebeto em apuros. Os axadrezados tiveram enormes oportunidades para marcar, mas não foi dia de acertar com a baliza.

Aos poucos o Tondela conseguiu mostrar as fragilidades da equipa de Petit. Com menos um homem atrás e com dinâmicas por corrigir, os beirões apostaram tudo nos passes para as costas da defesa do Boavista e foi assim que Salvador Agra fez o golo para a equipa de Pako Ayestarán.

Um ponto? Melhor que nada

O Boavista teve pouco tempo para conseguir mudar o resultado, pois o Tondela esteve muito seguro a defender. Petit lançou mais gente para o ataque, forçou de várias formas, mas apenas nos minutos finais, na sequência de um pontapé de canto fez o empate, por De Santis. Os axadrezados acreditaram que poderiam inverter o resultado, mas o jogo ficou muito irracional, nos últimos instantes e o empate manteve-se até ao final. O Boavista mantém o bom momento (quatro jogos sem perder), tal como o Tondela, que vai ter um jogo histórico esta semana, os quartos-de-final da Taça de Portugal.

quarta-feira, 29 de dezembro de 2021

Liga Bwin 2021-2022: 16ºJornada: Empate a Fechar o Ano Civil


 
VSC GUIMARÃES-1

BOAVISTA FC-1


Liga Bwin 16ºJornada Época 2021-2022
29 de Dezembro de 2021 - 19h
Estádio Dom Afonso Henriques em Guimarães
Árbitro:Rui Costa(A.F.Porto)


GR:Bruno Varela GR:Rafael Bracalli(C)
DD:João Ferreira(Bruno Duarte 80') DC:Tiago Llori
 DC:Toni Borevkovic DC:Jackson Porozo
DC:Abdul Mumin DC:Rodrigo Abascal(Filipe Ferreira 66')
DE:Rafa Soares EE:Yanis Hamache(Tomás Reymão 92')
MC:Alfa Semedo(Tomás Handel 71') ED:Reggie Cannon
MC:Tiago Silva(André Almeida 80') MC:Sebástian Perez
MC:Nicolas Janvier(André André INT) MC:Gaius Makouta(Jeriel de Santis 84')
MC:Rúben Lameiras PL:Yusupha Nije(Paul-Georges Ntep INT)
PL:Óscar Estupinán PL:Petar Musa(Kenji Gorré 92')
PL:Rochinha(C) PL:Gustavo Sauer

Treinador:Pepa     Treinador:Petit

Cartões Amarelos:Nicolas Janvier 18',Rodrigo Abascal 45'+2,Reggie Cannon 49',Óscar Estupinán 54',Tiago Silva 72',André André 75',Abdul Mumin 88' e Rochinha 95'.

Golos:Óscar Estupinán 80' e Tiago Llori 85'.

Com um golo de Ilori pouco depois de Estupiñán ter feito o da vantagem vitoriana, que tanto estava a ser cozinhada, o Boavista levou um ponto de Guimarães e até podia ter virado no fim: Bruno Varela, que já tinha brilhado na primeira parte, tirou o triunfo a Sauer, num jogo em que os vimaranenses estiveram globalmente por cima e, pese embora as ausências de Edwards, Sacko e Quaresma, criaram mais oportunidades, frente a uma formação fria e cerebral.

Sem farol, acenderam-se lanternas

Marcus Edwards, com Covid-19, foi a grande baixa para este jogo e, pela excelente forma que tem apresentado, necessariamente obrigou a que a equipa de Pepa encontrasse outras soluções para a criação. Foi um Vitória a querer mandar o que se apresentou em casa contra o Boavista, num dos clássicos do futebol português, o que também teve o consentimento dos axadrezados. Petit entrou bem, com ótimos resultados, e a equipa já sabe estar baixa sem estar nervosa. É a maior nota neste Boavista, com um posicionamento rígido e acertado, e com as três linhas (defesa, meio-campo, ataque) muito juntas no momento sem bola. Foram mais os momentos sem a ter, embora, reforçamos, sem qualquer problema da parte axadrezada, que convidava o adversário aos remates de meia-distância - não foi só desse modo, claro, até por Lameiras e Rochinha apresentaram-se a bom nível na condução para a área, mas era parte da estratégia.

Depois, era uma questão de qualidade nas saídas de bola. Sauer é o motor principal da equipa e foi quem mais assumiu, embora o sentido coletivo fosse evidente. Mais forte nos duelos do que nas chegadas à área, o Boavista acabou por ter, talvez, o momento mais prometedor do primeiro tempo, quando Sauer e Musa remataram, de forma consecutiva, para grandes defesas de Bruno Varela. Nada nestes parágrafos o confunda, caro leitor. O Vitória foi globalmente dominador e o mais ameaçador. Com exceção do tal momento duplo, ao minuto 28, a equipa da casa foi superior. E isso não se alterou na segunda parte. Ou melhor, agudizou-se. Os vimaranenses cresceram no campo e o Boavista, com Sauer muito mais bem tapado, foi incapaz de voltar a sair - até porque Ntep, que entrou para o lugar de Yusupha, praticamente não se viu e a equipa teve menos soluções no ataque. Estupiñán e Rochinha desperdiçaram as principais oportunidades nesse período e, depois, começou a olhar-se para o banco, já que faltavam soluções para refrescar os desgastados avançados...

Fortuna onde não se previa

Nesse período de desgaste, Pepa não pôde lançar homens de velocidade - não os tinha - portanto optou por dar mais frescura ao meio-campo... e seriam precisamente os que já lá estavam os que conseguiram chegar ao golo, num erro de Bracali após remate de Lameiras, a largar a bola para a frente, onde o oportuno Estupiñán conseguiu o golo.

A explosão de alegria nas bancadas foi notável, mas tamanho valor que chegou acabaria por ser desperdiçado logo depois, numa bola parada em que os axadrezados foram crentes e aproveitaram a felicidade que lhes calhou. Uns tiveram o pássaro na mão, os outros também lhe pegaram e, não tendo havido voo de fuga para ninguém, também não houve total alegria com o ponto amealhado. Muito mais no Vitória do que no Boavista, diga-se, apesar de os últimos segundos quase terem tido reviravolta, num livre de Sauer que Varela sacudiu com grande dose de importância.

 

domingo, 19 de dezembro de 2021

Liga Bwin 2021-2022: 15ºJornada: 11 Jogos Depois, Finalmente Nova Vitória no Campeonato

                                                                                                                     BOAVISTA FC-1

MOREIRENSE FC-0


Liga Bwin 15ºJornada Época 2021-2022

 19 de Dezembro de 2021 - 17h
Estádio do Bessa Século XXI

GR:Rafael Bracalli(C) GR:Kewin Silva
DC:Reggie Cannon DD:Paulinho
DC:Tiago Llori DC:Lazar Rosic
DC:Rodrigo Abascal DC:Steven Vitória(C)
EE:Yanis Hamache DE:Abdu Conté
MC:Gaius Makouta MC:Fábio Pacheco(Nikola Jambor INT)
MC:Sebastian Perez MC:Ibrahima Camará
MC:Gustavo Sauer(Ilija Vukotic 81') MC:Filipe Soares(Sori Mané INT)
ED:Nathan Santos ED:Felipe Pires(Derik Lacerda 73')
PL:Yusupha Nije(Paul Georges Ntep 75') EE:Walterson Silva(Rodrigo Conceição 78')
PL:Petar Musa PL:Rafael Martins


Treinador:Petit    Treinador:Lito Vidigal


 Cartões Amarelos:Fábio Pacheco 18',Nathan Santos 45'+2',Steven Vitória 79' e Nathan Santos 91'.

Cartões Vermelhos:Nathan Santos 91'.

Golos:Yanis Hamache 34'.


Com um golo de Hamache e nenhum golo sofrido, o Boavista de Petit mostrou que não foi a goleada ao SC Braga um acaso. Contra um Moreirense adormecido até sofrer golo (bem se pôs a jeito), a equipa axadrezada foi capaz de criar e, depois, de gerir - tinha menos de 72 horas de descanso. E o Bessa prepara-se para um Natal bem agradável, quando ainda há uns dias parecia estar em turbulência.

Quando o balanço é bom...

Estava bem fresco na memória o jogaço do Boavista contra o SC Braga, que garantiu a histórica presença na final-four da Allianz Cup. Nem por isso houve maior afluência às bancadas (pouco mais de três mil), mas a equipa não quis deixar qualquer sensação de que se tinha tratado de um mero fogacho. E o adversário ajudou...

Poderia pensar-se que seria um pachorrento duelo entre formas de estar semelhantes, a querer entregar a iniciativa ao adversário. E foi, na verdade, mas com o Boavista a cedo perceber que tal não era propriamente um comportamento prejudicial. Para isso, foi fortíssimo na reação à perda da bola, com um meio-campo muito ativo e que impossibilitou quase sempre o Moreirense de ter qualquer sucesso a sair em contra-ataque. Não sendo assim, até se poderia pensar que os cónegos, com três médios na zona central, poderiam querer construir com qualidade, mas nada disso aconteceu - intrigante o divórcio da bola e a procura exclusiva de bolas paradas para tentar a sorte. Ora, com esse sucesso defensivo das panteras, que nem precisavam de baixar ao último terço (normalmente, recuperavam a bola muito mais à frente), ficou por esclarecer o sucesso ofensivo, se bem que estava na cara que, mais cedo ou mais tarde, ele chegaria. Yusupha desperdiçou logo a abrir, repetiu pouco depois (grande defesa de Kewin Silva), Sauer também andou ameaçador e, como tal, nenhuma surpresa quando o golo apareceu: grande pormenor de Yusupha a desaguar na bomba de Hamache.

Depois sim, começou a ver-se algum Moreirense, mas muito curto. A referência ofensiva era... Steven Vitória, veja-se lá, quando subia à área contrária para lançamentos, livres ou cantos. Uma pobreza futebolística geral que vitimou Fábio Pacheco e Filipe Soares ao intervalo. Ficou melhor, sem dúvida. Marcou logo a abrir a segunda parte, num lance invalidado a Rafael Martins por fora de jogo, e cresceu no campo, com a conivência do Boavista. Petit sabia que, com o esforço dispendido na pssada quinta-feira, boa parte dos jogadores tenderia para a quebra física, portanto retirou-lhe pressão alta, sem que nunca abdicasse da agressividade sem bola.

Poucas foram as vezes em que houve desatenções. Numa das raras, Bracali mostrou que a idade é apenas um número. E, mesmo com mais e melhor circulação, o Moreirense encontrou um bloco compacto, coeso, bem posicionado e, mais do que tudo, muito moralizado. O próprio Tiago Ilori, que não tinha tido boas prestações até ao momento, substituiu muito bem o castigado Porozo. Depois de tanto tempo a não querer, quando quis, o Moreirense não foi capaz de furar a organização contrária. Esteve em cima, procurou por todos os lado, mas os espaços foram muito poucos e passou a ser o Boavista a jogar de forma cínica e eficaz, para que os três pontos ficassem no Bessa.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2021

Taça da Liga Fase de Grupos 2ºJornada 2021-2022: Estamos Pela Primeira Vez Na Final Four

 

                                                          BOAVISTA FC-5

SC BRAGA-1

Taça da Liga Fase de Grupos 2ºJornada Época 2021-2022

 16 de Dezembro de 2021 - 20h15
Estádio do Bessa Século XXI
Árbitro:Manuel Oliveira(A.F.Porto)


GR:Rafael Bracalli(C) GR:Tiago Sá
DC:Nathan Santos DC:Raúl Silva(Mário Gonzalez INT)
DC:Jackson Porozo DC:Diogo Leite
DC:Rodrigo Abascal(Tomás Reymão 84') DC:Paulo Oliveira(Vítor Tormena INT)
EE:Filipe Ferreira(Yanis Hamache 65') EE:Francisco Moura
MC:Gaius Makouta MC:Al Musrati(Chiquinho 72')
MC:Sebastian Perez(Tiago Llori 70') MC:André Horta(Lucas Mineiro INT)
MC:Gustavo Sauer(Ilija Vukotic 70') MC:Ricardo Horta(C)
ED:Reggie Cannon ED:Yan Couto
PL:Yusupha Nije(Paul Georges Ntep 65') PL:Iuri Medeiros
PL:Petar Musa PL:Vitinha(Abel Ruiz 31')


Treinador:Petit   Treinador:Carlos Carvalhal

Cartões Amarelos:Jackson Porozo 17',Al Musrati 56',Rafael Bracalli 53',Rodrigo Abascal 54',Gaius Makouta 55',Francisco Moura 72' e Reggie Cannon 78'

Golos:Gustavo Sauer 20',Petar Musa 32',Yusupha Nije 34',Nathan Santos 50',Iuri Medeiros 54'(g.p) e Gustavo Sauer 63'.

O último bilhete para a Final Four da Taça da Liga fica no Bessa, onde o Boavista goleou o SC Braga por 5x1. Os axadrezados viveram uma noite perfeita e, por isso, juntam-se a Santa Clara, Sporting e Benfica no final da janeiro para tentar o primeiro troféu da temporada. Terá havido, entre os 2969 adeptos presente no estádio do Bessa - e muitos outros em frente à televisão -, quem olhasse para o relvado em jeito de reminiscência. Seria este o Boavistão? A pantera que nos primórdios do século conquistou o país e fez furor na Europa? No banco, por certo, estava quem desse tempo sabe contar como foi: Petit. O homem-forte deste «novo» Boavista regressou a «casa» para a arrumar e, porque não, abrir-lhe novamente a porta do sucesso. Para já, os axadrezados vão a Leiria para o encontro de finalistas da Allianz Cup.

Quem não podia fartou-se de errar

Ninguém precisava de calculadora. As contas eram simples. Um ponto agradava aos portuenses, os minhotos tinham de vencer para marcarem encontro com o Benfica na Final Four. Talvez por isso - e pelo próprio ADN - foi o Braga quem pegou logo na «batuta», enquanto o Boavista começou em tom expectante. À passagem da primeira dezena de minutos, Yan Couto resolveu aventurar-se a solo e viu Bracali dizer-lhe que «não». Foi o primeiro sinal de perigo dos arsenalistas e, ao mesmo tempo, o último durante uma eternidade.  À medida que o relógio avançava sobre o nulo, a equipa de Petit ia ficando mais segura de si mesmo - e da bola. Makouta e Seba Pérez começaram a «encurtar» o espaço para os criativos adversários e, timidamente, os da frente avançaram metros. Yusupha foi uma enxaqueca das chatas para a última linha do Braga e Gustavo Sauer o talento de sempre. A isto juntou-se o desastre dos erros individuais na equipa de Carlos Carvalhal. E quando deram por ela já o Boavistão vencia por 3x0. Primeiro foi Al Musrati a entregar uma bola em «chamas» a Raúl Silva que, sem surpresa, falhou a receção. Agradeceu Sauer, que em corrida vertiginosa para o um contra um com Tiago Sá teve a frieza dos génios para picar a bola sobre o guarda-redes do Braga. 1x0, minuto 20. Estava em marcha a memória dos bons velhos tempos do Bessa, porque pouco depois de dobrada a meia-hora chegou a confirmação da derrocada arsenalista: entre os 32 e os 34 minutos, o Boavista arrumou a questão e «picou» o bilhete para Leiria. Já sem Vitinha em campo - saiu aos 20 minutos devido a lesão -, o Braga «mutilou» a esperança de uma reviravolta. André Horta, por regra dono de uma assertividade notável no passe, fez asneira à porta da grande área e deu a Yusupha a bola para o remate que deu o 3x0; 120 segundos antes, Makouta tinha arrancado com a certeza dos confiantes e com um passe rasgado lançou Musa que, depois de contornar Tiago Sá, encostou a bola para as redes desertas. 

Gira o disco e toca o mesmo

Como se não tivesse havido descanso no Bessa, a segunda parte começou com a fita da primeira. Espaço a mais na defesa do Braga e talento à solta no último terço do ataque boavisteiro. Sauer - que belo jogo - viu Nathan Santos a avançar na direita, meteu-lhe a bola e o resto foi pura felicidade axadrezada: um «míssil» sem defesa possível para Tiago Sá. De três subia para quatro a vantagem do Boavista e de pouca descia para nenhuma a esperança arsenalista. E esse estado de consciência manteve-se mesmo depois do 4x1, também ele um filme digno de guião. Isto porque Bracali defendeu o primeiro remate da grande penalidade (Ricardo Horta), bem à medida do conto de fadas que se vivia no coração da pantera. No entanto, Manuel Oliveira viu motivo para repetição e deu aos minhotos o Take 2 que Iuri Medeiros converteu. Por esta altura - desde o início da segunda parte, na verdade -, já Carvalhal tinha lançado Lucas Mineiro e Mario González em busca do milagre. Mas a noite era da pantera, que desfez em pedaços um Braga afundado em crimes de responsabilidade própria. O 5x1 foi uma lição de futebol de contra-ataque, com Musa a passar por Diogo Leite como faca quente em manteiga mole e depois a deixou para Sauer a cereja no topo do bolo. O resultado passou a ser histórico e a noite para mais tarda recordar no álbum boavisteiro. Os «olés» chegaram como consequência do filme e da bancada um grito significativo: «Allez, Petit, allez!». O campeão do Boavistão reacendeu a chama.

sábado, 11 de dezembro de 2021

Liga Bwin 2021-2022: 14ºJornada: Derrota Natural

                                                                                                                                                                   SPORTING CP-2

BOAVISTA FC-0


Liga Bwin 14ºJornada Época 2021-2022
11 de Dezembro de 2021 - 20h30
Estádio José de Alvalade em Lisboa
Árbitro:Nuno Almeida(A.F.Algarve)


GR:António Adán GR:Alireza Beiravand(Rafael Bracalli INT)
DD:Matheus Reis DC:Javi Garcia(C)(Tiago Morais 74')
 DC:Gonçalo Inácio DC:Jackson Porozo
DC:Sebástian Coates(C) DC:Rodrigo Abascal
DE:Pedro Porro(Ricardo Esgaio INT) EE:Filipe Ferreira
MC:Matheus Nunes ED:Nathan Santos(Reggie Cannon 63')
MC:Manuel Ugarte(Daniel Bragança 67') MC:
Ilija Vukotic(Paul Georges Ntep 63')
MC:Pedro Gonçalves MC:Sebastian Perez
PL:Flávio Nazinho(Luís Neto 74') PL:Gustavo Sauer(Tomás Reymão 78')
PL:Pablo Saravia PL:Yusupha Nije
PL:Nuno Santos(Tiago Tomás 67') PL:Kenji Gorré(Tiago Morais 76')

Treinador:Rúben Amorim   Treinador:Petit

Cartões Amarelos:Jackson Porozo 93'.

Golos:Pablo Sarabia 52' e Nuno Santos 59'.


O confronto frente ao Ajax, a contar Liga dos Campeões, interrompeu uma série de 12 vitórias consecutivas do Sporting, mas, no regresso ao habitat natural, o leão ganhou a luta com a pantera e voltou aos triunfos, assumindo a liderança da Liga bwin, ainda que à condição. Sem Paulinho, mas já com Coates e com o jovem Nazinho em estreia no onze, os homens de Amorim demoraram a encontrar a brecha na muralha axadrezada, mas foi apenas uma questão de tempo.

Crescendo foi insuficiente

Rúben Amorim avisou na conferência de imprensa sobre as dificuldades que as equipas de Petit costumam causar ao Sporting e o primeiro quarto de hora deu-lhe razão. O Sporting, como seria de esperar, tinha mais bola, mas o Boavista surgiu com a lição bem estudada, muito coeso defensivamente e com instruções claras para explorar as costas da defensiva leonina, bem como as bolas paradas. Foi assim que nasceram dois lances de muito perigo para os axadrezados, mas Adán evitou o golo a Gorré e Yusupha falhou por pouco no desvio a um livre lateral.

 

A postura inicial do Boavista, no entanto, esbateu-se com o passar do relógio, até porque os leões já estavam mais do que avisados, ficando apenas a coesão defensiva. O Sporting, que nos primeiros minutos assustou de bola parada, raramente conseguia explorar a profundidade como tanto gosta e os alas não apareciam no momento ofensivo. Ainda assim, as tentativas iam surgindo, mas tímidas, com Alireza a revelar-se à altura do desafio. O guardião, de resto, foi um dos protagonistas, tanto pelas defesas e pela forma como controlou a profundidade, como pela demora constante, que também impedia aos leões aumentarem o ritmo como desejavam. As brechas na muralha axadrezada foram-se abrindo, e os leões começaram a crescer, mas ia faltando outro discernimento no momento do último passe ou da finalização, notando-se também a falta de uma referência ofensiva com a ausência de Paulinho. O problema parecia ter ficado resolvido em cima do intervalo, com Porro a atirar cruzado para o fundo das redes depois de um cruzamento atrasado de Matheus Nunes, mas o lance acabou anulado por posição irregular do internacional português e o nulo manteve-se para a segunda parte.

Deram espaço ao leão…

Ao intervalo, tanto Petit como Amorim mexeram, mas não foi pelas substituições que o jogo ficou diferente. Seja como for, a verdade é que ficou. Os leões entraram bem, começaram a ter mais espaço para explorar e aproveitaram-no da melhor forma. Pedro Gonçalves conseguiu explorar a profundidade com um grande passe para Nuno Santos, o extremo cruzou e Pablo Sarabia fez o resto, inaugurando o marcador. O golo abriu ainda mais espaço e o segundo não tardou, novamente com Pedro Gonçalves a iniciar a jogada com um grande passe, mas desta vez foi Sarabia a assistir Nuno Santos para o golo.

Em vantagem no marcador, o Sporting fez o que tão bem sabe fazer: geriu a vantagem. Por entre substituições dos dois lados, os leões baixaram o ritmo, deram alguma bola a um Boavista que bem tentava, mas que não conseguia incomodar, até porque raramente tinha espaço para tal. Ainda assim, a equipa que ficou mais perto de marcar voltou a ser a de Alvalade, numa saída rápida que só não acabou no 3x0 porque Pedro Gonçalves fez o mais difícil e atirou para fora na cara do golo. A bola não entrou e o jogo até animou, mas novamente por culpa dos homens de verde e branco. O Sporting não voltou a marcar, mas foi a equipa mais perigosa até ao apito final - Bruno Tabata e Daniel Bragança entraram bem -, perante uma equipa axadrezada conformada com o desfecho da partida. No fim das contas, os leões festejaram mesmo o regresso às vitórias e assumiram a liderança da Liga bwin à condição. Nesse jogo de xadrez, falta agora a jogada do FC Porto.



sábado, 4 de dezembro de 2021

Liga Bwin 2021-2022: 13ºJornada: Nova Jornada Sem Vencer

                                               BOAVISTA FC-1

 CS MARÍTIMO-1

Liga Bwin 13ºJornada Época 2021-2022

4 de Dezembro de 2021 - 18h
Estádio do Bessa Século XXI
Árbitro:Hélder Malheiro(A.F.Lisboa)
 


GR:Alireza Beiravand GR:Paulo Victor
DC:Javi Garcia(C) DD:Claúdio Winck
DC:Jackson Porozo DC:Matheus Costa
DC:Rodrigo Abascal DC:Zainadine Júnior
EE:Yanis Hamache DE:Vítor Costa
MC:Gaius Makouta MC:Diogo Mendes(Léo Andrade 92')
MC:Ilija Vukotic(Sebastian Perez 72') MC:Stefano Beltrame
MC:Gustavo Sauer MC:Rafik Guitane(Ricardinho Viana 66')
ED:Nathan Santos ED:Edgar Costa(C)(Clésio Bauqué 79')
PL:Yusupha Nije EE:André Vidigal(Henrique Rafael INT)
PL:Petar Musa(Kenji Gorré 79') PL:Joel Tageau(Ali Alipour 79')


Treinador:Petit   Treinador:Vasco Seabra


 Cartões Amarelos:Petar Musa 20',Matheus Costa 22',Claúdio Winck 22',Gaius Makouta 40',Ilija Vukotic 42',Zainadine Júnior 48',Diogo Mendes 63',Zainadine Júnior 68',Gaius Makouta 77' e Ricardinho Viana 78'.

Cartões Vermelhos: Zainadine Júnior 68' e Gaius Makouta 77'.

Golos:Petar Musa 4' e Henrique Rafael 95'.

As vitórias ainda não estão de regresso ao Bessa. Num jogo de ânimos quentes, os axadrezados estiveram desde cedo na frente do marcador, mas o Marítimo lutou até ao final para inverter o resultado e justamente conseguiu o empate já em tempo de compensação (1x1), para dar um tónico cinzento à estreia de Petit no Boavista. O novo técnico do emblema da Invicta teve o mérito de devolver algum sangue à sua equipa, no entanto, faltou muita qualidade ao longo do jogo. Por sua vez, o empate acaba por ter um sabor interessante para Vasco Seabra, que parece estar a retirar o melhor de jogadores até este momento apagados na época maritimista.

Deslizes que fazem a diferença

Petit não podia pedir melhor entrada aos seus jogadores, que desde cedo revelaram agressividade na disputa dos lances e uma grande vontade em chegar rápido à baliza adversária. No primeiro lance ofensivo de relevo, os axadrezados acabaram por chegar ao golo num lance algo confuso que surpreendeu a defesa insular. Após cruzamento de Hamache e um ressalto, Musa finalizou para boa intervenção de Paulo Victor, mas acabou por faturar na recarga.

Um revés inicial para o Marítimo e que a equipa de Vasco Seabra tentou contornar, com um futebol ligado já ao estilo do novo técnico. Ainda assim, os visitantes tiveram problemas em aproveitarem as jogadas mais prometedoras e apenas conseguiram criar perigo num remate de Beltrame - de confiança renovada - , que testou a atenção de Alireza. Foi numa toada de muita luta que o encontro chegou ao descanso. No regresso dos balneários, Vasco Seabra optou por dar sangue fresco ao ataque e lançou Henrique Rafael no lugar do desinspirado André Vidigal,  com os insulares a conseguirem dispor de várias bolas paradas junto à área do Boavista. Num destes lances, Joel Tagueu obrigou Alireza a defesa apertada.

Quente até ao final

Após este momento, o jogo entrou numa toada de muitas paragens e bastante pressão na equipa de arbitragem, que favoreceu a equipa da casa. Em lance rápido, Sauer fez das suas e ultrapassou Zainadine em drible, com o moçambicano a cometer falta - Tagueu também está envolvido - e a ver o segundo cartão amarelo, resultando numa expulsão que parecia condicionar o Marítimo no resto da partida.

No entanto, minutos mais tarde, Makouta calculou mal uma tentativa de corte também ele foi expulso. O encontro estava a partir deste momento lançado num novo equilíbrio de forças e animou os visitantes para aumentarem a pressão na procura do empate. Por sua vez, o Boavista mostrou incapacidade de controlar os acontecimentos com bola. Através de um remate cruzado de Winck, o Marítimo teve uma grande oportunidade para chegar ao empate. A igualdade acabou por chegar já na compensação, com Henrique Rafael a responder da melhor forma a um cruzamento da esquerda e a premiar o espírito de luta dos insulares ao longo de um jogo que começou mal para a turma de Vasco Seabra.