Contagem

web counter free

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Antevisão Boavista FC-GD Chaves

BOAVISTA FC GD CHAVES
Sexta Feira dia 21 de Setembro, às 20:30

Preços dos bilhetes

Sócios: 3€

Sócios até aos 14 anos isentos de pagamento de quotas de sócio - BILHETE GRATUITO

Sócios dos 14 aos 16 anos isentos de pagamento de quotas de sócio - Bilhete 3€

Sócios dos 16 aos 18 anos - quota de sócio 4,5€ - Bilhete 3€

Acompanhantes de Sócio: 7€ (cada associado poderá adquirir até 3 Bilhetes)

Público: 15€

Horário da Secretaria: Segunda a sexta das 9:30 às 12:30 e das 14:00 às 18.
Sexta Feira dia 21 de Setembro, das 9:30 até ao intervalo do jogo

Apelamos a todos os associados e todos os que adquiram bilhetes de jogo para no Estádio do Bessa Séc XXI, que respeitem o lugar indicado nos bilhetes.


sábado, 1 de setembro de 2018

Segunda Derrota da Época Acontece nos Açores

SANTA CLARA-4 BOAVISTA FC-2 
Liga Nós 4ºJornada Época 2018-2019
1 de Setembro de 2018 - 19h
Estádio de São em Ponta Delgada nos Açores
 Árbitro :António Nobre(A.F.Leiria)

GR:Marco Pereira GR:Hélton Leite
DD:Patrick Vieira DD:Carraça
 DC:Fábio Cardoso DC:Neris
DC:Danildo Accioly DC:Raphael Silva
DE:João Lucas DE:João Talocha
MC:Bruno Lamas(César Martins 87') MC:Stéphane Sparagna(Rafael Costa 61')
MC:Osama Rashid MC:David Simão
MC:Anderson Carvalho AMC:Fábio Espinho(Rafael Lopes 71')
ED:José Manuel(Minhoca 75') ED:Rochinha
EE:Fernando Santos EE:André Claro(Mateus 53')
PL:Thiago Santana(Alfredo Stephens 29') PL:Frederico Falcone

Treinador:João Henriques            Treinador:Jorge Simão

Cartões Amarelos:Danildo Accioly 13',André Claro 21',Thiago Santana 24',Fernando Santos 69',Anderson Carvalho 71',Carraça 76'.

Golos:Thiago Santana 19',Frederico Falcone 45',Fernando Santos 50',Osana Rashid 60',João Talocha 65' e Osana Rahid 98'.


Duelo intenso em São Miguel. Pela primeira vez neste regresso à Liga NOS, o Santa Clara conseguiu vencer um encontro, derrotando o Boavista (4x2), num jogo cheio de golos, a contar para a quarta jornada da Liga NOS.
A partida, influenciada pelo vento que se fazia sentir em Ponta Delgada, começou com muita luta a meio campo. Aos 20 minutos, na sequência de um lançamento lateral de Patrick (uma das grandes armas dos homens de João Henriques), a bola sobrou para Fernando Andrade, que cruzou para o cabeceamento certeiro de Thiago Santana.
Apesar da mudança no marcador, a qualidade do jogo continuou baixa, com as duas equipas mais preocupadas em discutirem as decisões do árbitro António Nobre. Após a saída por lesão de Thiago Santana, o Santa Clara perdeu algum discernimento com bola, o que coincidiu com algum crescimento dos axadrezados. Já em tempo de compensação, Falcone, num gesto à ponta de lança de cabeça, restabeleceu a igualdade e levou o jogo empatado para o intervalo.

Inspiração de Rashid acentuou dificuldades

As duas equipas entraram melhor na segunda parte, mas foi a equipa da casa quem foi mais feliz nesta fase. Aos 51´, numa jogada de contra-ataque, Bruno Lamas ofereceu o golo a Fernando Andrade, oportunidade que o extremo brasileiro não desperdiçou. As dificuldades continuaram para o Boavista, com Osama Rashid, numa excelente execução de livre, a a não dar hipóteses Helton Leite.
O Boavista não se rendeu e, poucos minutos depois,o lateral Talocha conseguiu reduzir, num remate colocado. Apesar do esforço, as tentativas dos homens de Jorge Simão para chegarem ao empate esbarraram na defesa adversária, com destaque para um remate de Carraça (muito ativo ofensivamente) à trave, após defesa de Marco Pereira. Já na fase do tudo ou nada, Osama Rashid aproveitou, num contra-ataque, para bisar e colocar um ponto final na vitória dos açorianos.
Pela primeira vez desde o dia 5 de maio de 2003, o Santa Clara conseguiu vencer no principal escalão do futebol português, confirmando também a faceta goleadora que já tinha demonstrado nas primeiras jornadas desta Liga NOS (10 golos até ao momento).

domingo, 26 de agosto de 2018

Empate na Feira


CD FEIRENSE-1 BOAVISTA-1 
Liga Nós 3ºJornada Época 2018-2019
26 de Agosto de 2018 - 20h15
Estádio Marcolino de Castro em Santa Maria da Feira
 Árbitro :Rui Costa(A.F.Porto)

GR:Caio Secco GR:Hélton Leite
DD:Edson Farias DD:Carraça
 DC:António Briseño DC:Neris
DC:Bruno Nascimento DC:Raphael Silva
DE:Vítor Bruno DE:João Talocha
MC:Babanco(Cris 14') MC:Idrís Mandiang
MC:Tiago Silva MC:David Simão
EE:Rafael Crivellaro AMC:Fábio Espinho(Rafael Costa 58')
ED:Luís Machado(João Silva 88') ED:Rochinha
PL:Fábio Sturgeon EE:André Claro(Mateus 94')
PL:Edinho PL:Frederico Falcone(Rafael Lopes 73')

Treinador:Nuno Manta Santos            Treinador:Jorge Simão

Cartões Amarelos:Carraça 6',Idrís Mandiang 53',Raphael Silva 54',David Simão 61',Crivellaro 66',Hélton Leite 92' e Tiago Silva 95'.

Cartões Amarelos:Idrís Mandiang 53'

Golos:Frederico Falcone 45' (pen) e Edinho 61'.




A jogar pela liderança isolada do campeonato, o Feirense não foi além de um empate, em casa, a uma bola, diante do Boavista. Numa partida marcada pela emoção e pelas picardias (em excesso), a equipa de Nuno Manta acabou por não conseguir materializar em golos o caudal ofensivo e o número de oportunidades criadas. 

Do lado boavisteiro, ficam duas certezas: há qualidade na baliza e alguma falta de capacidade fora de casa, pese os quatro pontos conquistados no início de 2018/2019. Ainda assim, boa resposta no que à coesão diz respeito para os homens de Jorge Simão. 

Mais discussão que juízo

Numa partida jogada sob um calor e ambiente abrasador, Feirense e Boavista entraram com vontade, mas a maior inteligência dos fogaceiros resultou num futebol mais bem trabalhado e perigoso. Edinho deu o primeiro sinal de perigo, pertencendo a Briseño a segunda oportunidade , negada por uma bela defesa de Helton, que promete continuar a honrar o nome das balizas em Portugal. 

Depois de uma boa entrada, o Feirense, com o decorrer do primeiro tempo, foi perdendo capacidade para dominar territorialmente a partida, perante um Boavista muito previsível no processo ofensivo - muitos cruzamentos, muita vontade e pouca uva. 

Tudo mudou ao minuto 43. Numa das poucas jogadas em que conseguiu explorar a profundidade dos seus homens da frente, o Boavista conseguiu chegar ao golo, por intermédio de Falcone, de grande penalidade, que aproveitou da melhor forma uma abordagem deficiente de Vítor Bruno - diante da antiga equipa, o lateral foi pouco feliz. Uma forma injusta de terminar o primeiro tempo, especialmente depois de Helton ter brilhado, novamente. 

Pouco depois, o apito do árbitro, com cinco minutos de desconto, muita polémica à mistura e uma expulsão nos bancos, depois de tanta discussão, de Jorge Simão. Mais jogo jogado e menos jogo falado, eis o pedido. 

Pressão só chegou para o ponto

Durante 15 minutos, os 22 atletas tiveram tempo mais do que suficiente para acalmar os ânimos, que continuaram para lá das regras. Cada lance foi disputado no limite da agressividade e Idris, um dos poucos amarelados em campo, ficou com a fava, sendo expulso por Rui Costa e criando um ambiente de guerrilha junto aos bancos. Pouco depois, o tento do empate após falta sobre o jogador boavisteiro no início da jogada, em mais um grande momento individual de Edinho como fogaceiro. 

Curiosamente, contra menos um jogador, o Feirense passou por mais dificuldades no seu processo ofensivo, ainda que as oportunidades só tenham surgido, mais uma vez, na baliza de Helton, o farol de segurança de uma equipa boavisteiro demasiado confiante na sua linha defensiva e pouco proativa durante os 90 minutos. 

Até ao apito final, o Feirense, com João Silva ao lado de Edinho, forçou o golo da vitória, mas o coração falou mais alto do que a cabeça no momento da definição. Ficou a boa imagem de uma equipa que está pronta para honrar o emblema centenário. 



quinta-feira, 23 de agosto de 2018

Antevisão CD Feirense - Boavista FC

DESLOCAÇÃO SANTA MARIA DA FEIRA
BILHETES DISPONÍVEIS A PARTIR DE HOJE, TERÇA-FEIRA, NA SECRETARIA DO BOAVISTA FUTEBOL CLUBE
FEIRENSE vs BOAVISTA FC�(26 de Agosto, Domingo, às 16 horas)

PREÇOS
Bilhete 10 euros (para associados do Boavista Futebol Clube com quotas em dia - julho de 2018)

Após conversações com a CP, foi sugerido e garantido o seguinte percurso e horário de viagem Porto- Santa Maria da feira / Santa Maria da Feira – Porto
Bilhetes disponíveis na Estação de Campanhã: 7,7€ Ida e volta

SUGESTÃO DE VIAGEM: COMBOIO: Concentração: 11:45 Estação de Campanhã

IDA: PORTO- ESPINHO / ESPINHO VOUGA- SANTA MARIA DA FEIRA
Partida: Porto – Campanha: 12:14
Transporte complementar: Espinho – Espinho Vouga
Partida Espinho-Vouga: 13:30 - Chegada Santa Maria da feira 14:04

VOLTA: SANTA MARIA DA FEIRA- ESPINHO VOUGA / ESPINHO – PORTO
Partida após final do jogo - Vila da Feira: 18:50
Transporte complementar: Espinho Vouga - Espinho
Partida Espinho: 19:56 – Chegada Porto Campanhã: 20:21

PREÇOS IDA E VOLTA – 7,7€ (3,85+3,85)

Horários da secretaria de segunda a sexta: das 9:30 às 12:30 e das 14:00 às 18:00

Sábado Loja Axadrezada: 10:00 -18:00

VAMOS TODOS APOIAR O BOAVISTA
A Provedoria do Associado


sábado, 18 de agosto de 2018

Primeira Derrota da Época Com Dois Golos Oferecidos

BOAVISTA FC-0 SL BENFICA-2
Liga Nós 2ºJornada 2018-2019
18 de Agosto de 2018 - 19H
Estádio do Bessa Século XXI
Árbitro:Manuel Mota(A.F.Braga)

GR:Hélton Leite  GR:Odisseias Vlachodimos
      DD:Carraça  DD:André Almeida
 DC:Neris DC:Rúben Dias
DC:Raphael Silva  DC:Jardel
DE:João Talocha DE:Alex Grimaldo
MC:Idrís Mandiang(Rafael Lopes 70')  MC:Ljudomir Fejsa
 MC:Fábio Espinho(Rafael Costa 53') MC:Pizzi
MC:David Simão  MC:Gedson Fernandes(Alfa Semedo 81')
ED:Mateus(André Claro 64') ED:Toto Sálvio(Andrija Zivkovic 75')
EE:Rochinha  EE:Franco Cervi(João Félix 88')
PL:Frederico Falcone PL:Facundo Ferreyra

Treinador:Jorge Simão               Treinador:Rui Vitória

Cartões Amarelos:Fábio Espinho 39',Mateus 58',Gedson Fernandes 72',João Talocha 71' e Rafael Costa 80'.

Golos:Facundo Ferreyra 34' e Pizzi 61'.



Parecia estar a jogar em casa, mas não. O Benfica passou com distinção no exigente terreno do Bessa, onde há um ano tinha sido derrotado, com muito apoio nas bancadas, mas sobretudo com uma grande intensidade e entrosamento entre os seus jogadores, um cenário que costuma ser comum na Luz, mas que acontece bem menos vezes nas idas ao norte do país nos tempos de Rui Vitória.

Desta vez, e apesar do bom início do Boavista, a águia foi competente e nem sequer teve de passar por qualquer susto para ganhar o segundo jogo do campeonato, em vésperas do dérbi com o Sporting.

Houve arrojo inicial do Boavista e essa é a primeira nota de destaque do jogo. Quem tem acompanhado esta equipa de Jorge Simão sabe que não é só nestes jogos que as panteras querem revitalizar de alguma forma o Boavistão, que tantas alegrias deu aos seus adeptos. E, mesmo na adversidade financeira (novamente o orçamento mais baixo da Liga), as distâncias encurtam-se sempre em campo. Sobretudo no Bessa.

No 4x4x2 que começou a época, Jorge Simão pretende com a mobilidade na frente fazer a diferença, sob o apoio de um meio-campo experiente (Idris) e muito sábio (David Simão). Foi dessa maneira que quis surpreender o Benfica, o que conseguiu e quase com golo: Falcone teve a primeira soberana ocasião.

Sem problemas, o Benfica pegou na batuta e o Boavista encaixou-se. Fábio Espinho andava cada vez menos ao lado de Falcone na frente e ajudava os médios a estancar as investidas encarnadas. Em suma, a equipa da casa tinha o jogo fechado e só permitia às águias remates de meia distância ou bolas longas.

Mas houve um erro fatal. Carraça não tirou uma bola inofensiva, Ferreyra insistiu, ganhou e marcou. Libertou o pequeno fantasma que pairava sobre si e, mais do que isso, deu outro rumo ao jogo.
O intervalo não tardaria e dos balneários veio a intenção encarnada de resolver rápido o jogo para pensar no duelo com o PAOK. Salvio apareceu mais em jogo e levou a equipa com a sua mensagem.
Mesmo com uma disposição de pressão alta e de regresso ao 4x4x2, o Boavista sucumbiu à maior qualidade individual do adversário, muito por culpa da incapacidade de fechar as entradas da lateral para o meio. Veja-se o segundo golo e a forma como Salvio passou pela avenida criada do seu lado antes de dar para Pizzi, para já o improvável goleador do campeonato.

Não foi semelhante, até porque durante meia hora não houve um domínio absoluto, mas a forma como o Benfica se colocou em vantagem e a aumentou fez lembrar o jogo contra o Vitória de Guimarães, na primeira ronda. E, ao lembrar esse jogo, facilmente vinha à memória os últimos minutos para a equipa de Rui Vitória, que passou de 3x0 para 3x2 e que depois teve de sofrer.

Alertados para a necessidade de nunca desmembrar a equipa em termos defensivos, os jogadores do Benfica usaram a melhor estratégia que há para evitar esse cenário: posse, posse e mais posse, quase sempre no meio-campo contrário.

As substituições de Jorge Simão pouco ou nada conseguiram acrescentar e o Boavista não conseguiu voltar ao jogo, que significou três pontos importantes para as águias.