Contagem

web counter free

sábado, 12 de maio de 2018

BOAVISTA FC -1 CF BELENENSES-0


No Estádio do Bessa, o avançado axadrezado marcou o golo da vitória aos 19 minutos, num jogo em que Bruno Pereirinha viu o segundo cartão amarelo antes do intervalo (42) e deixou o Belenenses reduzido a 10 unidades.
O Boavista ascendeu ao sétimo lugar, com 45 pontos, embora possa ser ultrapassado pelo Marítimo (43), que recebe o Sporting este domingo, enquanto o Belenenses mantém o 11º lugar, com 37, podendo perder a posição para o Portimonense (35), que recebe o Paços de Ferreira.
Seja como for, o Boavista alcançou já o seu objetivo para esta época, que era igualar ou melhorar o nono lugar e os 43 pontos conseguidos na temporada anterior.
O encontro começou com o Boavista pressionante e a tirar partido do desenho tático que o Belenenses apresentou, com três centrais e Maurides só na frente, ainda que com Licá por perto. O problema é que Maurides e Licá estiveram quase sempre bastante desacompanhados frente ao quarteto defensivo contrário.
Como esse dispositivo cauteloso, a equipa lisboeta como que convidou o seu opositor a atacar e a subir no relevado e foi isso que aconteceu pelo menos até ao lance de que resultou o golo
O Boavista manteve-se fiel ao seu figurino, com muita pressão a meio-campo, ataques rápidos e futebol vertical, e a verdade é que criou sucessivos problemas à defesa contrária.
Depois de uma primeira ameaça, com Fábio Espinho a atirar forte e Becker a ter de se aplicar para evitar o golo, o Boavista marcou aos 19 minutos, num lance em que Rochinha assistiu Kuca e este, após um bom chapéu sobre Gonçalo Silva, rematou e bateu o guardião dos ‘azuis’ do Restelo.
O Belenenses saiu então do seu reduto defensivo e, aos 25 minutos, aproveitou uma bola perdida por Idris e rematou pela primeira vez à baliza ‘axadrezada’, por Fredy, com Vagner a sacudir a bola para canto.
Aos 42 minutos, Pereirinha, entretanto, viu o segundo amarelo e, logo depois, o cartão vermelho, foi expulso e deixou a sua equipa reduzida a dez unidades.
Ainda antes do intervalo, Fredy ultrapassou Idris, cruzou e Bouba Saré quase empatou.
O Belenenses da segunda parte, embora com menos um jogador, foi melhor do que o do primeiro tempo e criou alguns problemas ao Boavista, ainda que sem ameaçar seriamente a baliza de Vagner.
Rochinha voltou a testar Muriel Becker aos 55 minutos, e o Belenenses, por ter arriscado mais neste período em busca sentiu algumas dificuldades com os lançamentos longos para as costas da sua defesa, os quais só não tiveram outro tipo de consequências devido ao desacerto boavisteiro.
A meio da segunda parte, sensivelmente, ficou aliás a sensação de que alguns jogadores ‘axadrezados’ tiraram o pé do acelerador mostraram-se menos focados, o que permitiu ao Belenenses algumas veleidades ofensivas. Nada, porém, que chegasse para pôr em causa o resultado e o triunfo do Boavista.

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Antevisão Boavista FC - CF Belenenses

SÁBADO TODOS AO BESSA!!! ⬛️⬜️⬛️⬜️⬛️

SÁBADO DIA 12 DE MAIO ÀS 20:00
ESPECIAL DIA DA MÃE
Sócias, senhoras, com quotas em dia entrada GRATUITA (obrigatório levantar bilhete)
Sócios menores com quotas em dia, entrada GRATUITA (obrigatório levantar Bilhete)
Preços dos bilhetes:
Sócios: 3€
Sócios até aos 14 anos isentos de pagamento de quotas de sócio - ENTRADA GRATUITA
Sócios dos 14 aos 16 anos isentos de pagamento de quotas de sócio - BILHETE GRATUITO
Sócios dos 16 aos 18 anos - quota de sócio 4,5€ - GRATUITO
Acompanhantes de Sócio: 7,5€ (cada associado poderá adquirir até 3 Bilhetes)
Público: 15€
Horário das bilheteiras: segunda a sexta, das 9h30 às 12h30, e das 14h00 às 18h00;
Sábado, das 9h30 até ao intervalo do jogo,
bilheteira nascente: das 18:30 até ao intervalo do jogo.





Empate na Pedreira

SC BRAGA-1 BOAVISTA FC-1






Os axadrezados saíram para o intervalo em vantagem, graças a um golo de Yusupha, aos 45′.
Na segunda metade, os bracarenses, quartos classificados na Liga, chegaram à igualdade por Dyego Sousa, aos 72′.
O mesmo jogador esteve em destaque, pela negativa, ao falhar nos minutos finais uma grande penalidade.

Antevisão SC Braga - Boavista FC


domingo, 22 de abril de 2018

Derrota Mínima Em Alvalade

SPORTING CP-1 BOAVISTA-0
Liga Nós Época 2017-2018 2ºJornada
9 de Abril de 2018 - 20h
Estádio José de Alvalade em Lisboa
 Árbitro :Artur Soares Dias(A.F.Porto)


GR:Jhonatan Luiz GR:Vágner Silva
DD:Pierre Sagna DD:Tiago Mesquita(Rochinha 72')
 DC:Iago Santos DC:Nuno Henrique(Róbson INT)
DC:Hichem Belkaraoui DC:Raphael Rossi
DE:Rúben Lima DE:João Talocha
MC:Alfa Semedo MC:Idrís Mandiang
MC:Ângelo Neto  MC:David Simão
MC:Arsénio(Bruno Ramires 70') MC:Fábio Espinho
ED:Ronald Penã ED:Renato Santos
EE: Biel Aouacheria(Rafael Costa 91') EE:Vítor Bruno(Mateus 55')
PL:Tozé(Koffi Kouao 77')  PL:Leonardo Ruiz

Treinador:Jorge Jesus             Treinador:Jorge Simão


Cartões Amarelos:Vítor Bruno 13',Raphael Rossi 17',David Simão 45',Iago Santos 45',Ângelo Neto 59',Idrís Mandiang 71'.

Golos: Ângelo Neto 53'.


O triunfo do Sporting de Braga diante do Marítimo (2-0), na sexta-feira, tinha atirado a formação de Alvalade para o quarto posto, mas o holandês ofereceu os três pontos ao Sporting, que soma agora 74, menos dois do que o FC Porto (que esta segunda-feira recebe o Vitória de Setúbal) e três do que o líder Benfica (ainda que à condição), que no sábado venceu o Estoril-Praia por 2-1.
Já o Boavista, que somou o sétimo jogo consecutivo fora de casa sem marcar, permanece no oitavo posto, com 38.
Frente aos ‘axadrezados’, Jorge Jesus promoveu apenas uma alteração em relação ao clássico com o FC Porto (vitória por 5-4 no desempate por grandes penalidades na segunda mão das meias-finais da Taça de Portugal), com Ristovski a render Piccini no lado direito da defesa. Aliás, o lateral italiano figurava nos convocados, mas acabou por nem constar na lista de suplentes.
Já do lado do Boavista, Jorge Simão colocou de início Yusupha, que entrou para o lugar de Leonardo Ruiz, que por ser cedido pelo Sporting não jogou hoje.
Para este jogo, a estatística não era de todo favorável ao Boavista, equipa que fora do Estádio do Bessa apenas venceu Estoril Praia (3-0) e Paços de Ferreira (2-1). E o resultado frente ao Sporting apenas não foi mais volumoso, porque contou com uma excelente exibição do guarda-redes Vagner, que protagonizou excelentes duelos com Bas Dost e Gelson, negando-lhes o golo por quatro ocasiões (duas a cada um).
A tendência do jogo percebeu-se logo nos minutos iniciais, com o Sporting a carregar e a querer resolver o jogo cedo e, logo aos 15 minutos, Bruno Fernandes poderia ter inaugurado o marcador, com um remate à entrada da pequena área, mas Vagner conseguiu defender para canto. Guarda-redes que, aos 35, tirou ‘o pão da boca’ de Bast Dost e impediu o 2-0.
O golo acabou por surgir de grande penalidade e após a intervenção do vídeo-árbitro (hoje liderado pelo portuense Vasco Santos), aos 25 minutos. Foi necessário o recurso às imagens para que o juiz leiriense Fábio Veríssimo validasse o que todos viram no Estádio José Alvalade: corte com a mão de Robson após cruzamento de Bruno Fernandes. Na cobrança, o Bas Dost não se fez rogado e fez o 1-0, marcando o 26.º golo da temporada (69.º com a camisola do Sporting).
Na sequência deste lance, André Geraldes, diretor-desportivo do Sporting, foi expulso por reclamar intempestivamente no lance da grande penalidade, que Fábio Veríssimo tardou em marcar.
O guarda-redes dos ‘axadrezados’ voltou a estar em bom plano, aos 44 minutos, a defender um remate de Gelson Martins, levando o Sporting com a vantagem mínima para o intervalo.
Na segunda parte, Jorge Jesus colocou em campo Petrovic para o lugar do defesa central Mathieu, devido a limitações físicas, mas o Boavista nunca foi capaz de criar uma jogada com pés e cabeça para surpreender a defesa do Sporting. Aliás, a estratégia dos comandados de Jorge Simão passava por conseguir faltas junto à grande área do Sporting como forma de poder chegar ao golo.

Contudo, o Sporting não se deixou surpreender por estes lances de bola parada e foi procurando chegar ao segundo golo. Sem grande velocidade, situação que confirma o discurso de Jorge Jesus, que afirma que fisicamente a equipa ‘está presa por arames’, o Sporting ainda viu Vagner negar o golo que lhe daria o descanso aos remates de Gelson Martins (54 minutos, Battaglia (60) e Bas Dost (73).

terça-feira, 17 de abril de 2018

Antevisão Sporting CP-Boavista FC




DESLOCAÇÃO A ALVALADE
Sporting CP x BOAVISTA FC
Domingo, dia 22 de abril, 20h15
Bilhete de campo: 12,50€
Bilhete + autocarro: 18€
Partida: domingo às 15h00, na Pantera
Bilhetes disponíveis a partir de hoje, dia 17, na Secretaria
Horário: 9h30 às 12h30 e das 14h00 às 18h00 - até sexta-feira, dia 20 de Abril.
Sábado disponíveis na Loja Axadrezada – 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00;
VAMOS TODOS APOIAR O BOAVISTA
A Provedoria do Associado

sábado, 14 de abril de 2018

Novo Empate no Bessa

BOAVISTA FC-3 GD CHAVES-3
Liga Nós 30ºJornada 2017-2018
14 de Abril de 2018 - 18H15
Estádio do Bessa Século XXI
Árbitro:Manuel Mota(A.F.Braga)

GR:Vágner da Silva   GR:António Filipe
      DD:Carraça  DD:Paulinho
 DC:Róbson DC:Domingos Duarte
DC:Stéphane Sparagna  DC:Nikola Maras
DE:João Talocha DE:Djavan(Perdigão 72')
MC:David Simão  MC:Jefferson Santos(Stéphen Eustáquio 55')
 MC:Fábio Espinho MC:Renan Bressan
MC:Rochinha(Aymen Tahar 71')  MC:Pedro Tiba(Higor Platiny 78')
ED:Mateus(Kuca 89') ED:Matheus Pereira
EE:Renato Santos  EE:Davidson
PL:Yusupha Nije(Rui Pedro 66') PL:William Oliveira

Treinador:Jorge Simão               Treinador:Luís Castro

Cartões Amarelos:,Paulinho 15',Domingos Duarte 27',Carraça 54',Stéphane Sparagna 65',Renato Santos 78'  e David Simão 79'.

Golos:Davidson 11',Carraça 25',Renato Santos 42',Renato Santos 77',Stéphane Eustáquio 80' e Higor Platiny 88'.



No Estádio do Bessa, o Boavista, que esteve a perder, após um golo de Davidson (11 minutos), operou a reviravolta e chegou ao 3-1, com tentos de Carraça (25 minutos) e Renato Santos (42 e 77), mas nos últimos minutos consentiu o empate ao Chaves, que marcou por intermédio de Stephen Eustáquio (80) e Platiny (89).
O resultado mantém Boavista e Desportivo de Chaves em sétimo e oitavo, respetivamente, ambos com 38 pontos.
O conjunto transmontano começou melhor, com um futebol desinibido e de pendor ofensivo, aproveitou bem a macieza do Boavista a meio-campo e adiantou-se no marcador. Davidson aproveitou a liberdade que lhe foi dada e bateu Vagner com um remate que valeu sobretudo pela colocação.
Sem o seu capitão e médio defensivo, Idris, ausente devido a castigo, o Boavista demonstrou na fase inicial claras falhas de marcação na faixa central e o Chaves tirou partido disso.
O Boavista ‘acordou’ apenas depois do golo sofrido, tomou conta do jogo, empatou com a colaboração de António Filipe e na sequência de um remate de Carraça. E, com autoridade, conseguiu mesmo a cambalhota no marcador já muito perto do intervalo.
Depois de uma ‘cavalgada’ impressionante aos 23 minutos, culminada com um remate ao poste, Rochinha furou outra vez a defesa adversária aos 42 minutos, cruzou e fez com que a bola chegasse a Renato Santos, para um golo fácil.
Depois de uma primeira parte intensa e viva, com as duas equipas de olhos postos nas balizas contrárias e a proporcionarem um bom espetáculo, a segunda metade começou melhor para o Boavista e Rochinha, em mais uma boa iniciativa, forçou António Filipe defender a bola novamente para o poste direito da sua baliza.
O Boavista parecia ter o encontro controlado, mas o Chaves nunca se rendeu e, aos 64 minutos, Davidson atirou contra Tiba, em plena área ‘axadrezada’, e a sua equipa perdeu aí uma clara ocasião de empatar.
Depois desse susto, o técnico boavisteiro substituiu Rochinha por Aymen Tahar e este, pouco depois, teve um lance de inspiração e assistiu Renato Santos para o 3-1, aos 77.
O resultado e a exibição segura do Boavista sugeriam que o jogo podia estar resolvido, mas Stephen mostrou que era pura ilusão reduzindo para a diferença mínima.
Moralizado com esse golo quando ainda faltavam mais de dez minutos para o final, o Chaves lançou-se ao ataque da baliza ‘axadrezada’ e o Boavista tremeu, perdendo a confiança e o controlo da situação.
O treinador Luís Castro, entretanto, apostou tudo na busca do empate, tirou o defesa esquerdo Djavan, pôs no seu lugar mais um atacante, Platiny, e foi bem-sucedido.
A um minuto fim do tempo regulamentar, o avançado aproveitou uma defesa incompleta de Vagner e, oportuno, fez o 3-3 final.

terça-feira, 10 de abril de 2018

Antevisão Boavista FC-GD Chaves


SÁBADO TODOS AO BESSA!!!!
BOAVISTA FC – GD CHAVES
SÁBADO , dia 14 de Abril às 18:15
Preços dos bilhetes
Sócios: 3€
Sócios até aos 14 anos isentos de pagamento de quotas de sócio - ENTRADA GRATUITA
Sócios dos 14 aos 16 anos isentos de pagamento de quotas de sócio - BILHETE 3€
Sócios dos 16 aos 18 anos - quota de sócio 4,5€ - BILHETE 3€
Acompanhantes de Sócio: 7,5€ (cada associado poderá adquirir até 3 Bilhetes)
Público: 15€
Horário das bilheteiras: segunda a sexta, das 9h30 às 12h30, e das 14h00 às 18h00;
Sábado, das 9h30 até ao intervalo do jogo,
bilheteira nascente: das 16:30 até ao intervalo do jogo

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Derrota em Moreira de Cónegos

MOREIRENSE-1 BOAVISTA-0
Liga Nós Época 2017-2018 2ºJornada
9 de Abril de 2018 - 20h
Estádio Comendador Joaquim de Almeida Freitas em Moreira de Cónegos
 Árbitro :Artur Soares Dias(A.F.Porto)


GR:Jhonatan Luiz GR:Vágner Silva
DD:Pierre Sagna DD:Tiago Mesquita(Rochinha 72')
 DC:Iago Santos DC:Nuno Henrique(Róbson INT)
DC:Hichem Belkaraoui DC:Raphael Rossi
DE:Rúben Lima DE:João Talocha
MC:Alfa Semedo MC:Idrís Mandiang
MC:Ângelo Neto  MC:David Simão
MC:Arsénio(Bruno Ramires 70') MC:Fábio Espinho
ED:Ronald Penã ED:Renato Santos
EE: Biel Aouacheria(Rafael Costa 91') EE:Vítor Bruno(Mateus 55')
PL:Tozé(Koffi Kouao 77')  PL:Leonardo Ruiz

Treinador:Petit             Treinador:Jorge Simão


Cartões Amarelos:Vítor Bruno 13',Raphael Rossi 17',David Simão 45',Iago Santos 45',Ângelo Neto 59',Idrís Mandiang 71'.

Golos: Ângelo Neto 53'.






O Moreirense recebeu e venceu, esta segunda-feira à noite, o Boavista por 1-0, no jogo que fechou a 29.ª jornada da I Liga de futebol.

O golo de Ângelo Neto, aos 52 minutos, permitiu à equipa de Moreira de Cónegos vencer os axadrezados, triunfo que deixa o Moreirense respirar um pouco de alívio na luta pela manutenção, enquanto o Boavista fica mais longe da luta pela vaga na Europa.
A vitória permitiu ao Moreirense subir ao 14º lugar com 28 pontos, os mesmos de Vitória de Setúbal (13º) e Paços de Ferreira (15º) e mais quatro do que o Feirense, 17º e primeira equipa abaixo da linha de despromoção, sendo que o Boavista é sétimo com 37, a seis de Rio Ave e Marítimo, quinto e sexto classificados, respetivamente.
Do lado do Moreirense, face à jornada anterior, na qual o clube minhoto perdeu por 4-3 em Portimão, Petit operou quatro mudanças: Iago e Hichem jogaram no eixo da defesa, enquanto Arsénio e Neto regressaram à equipa.
Já Jorge Simão fez três alterações no ‘onze’ em relação ao empate 1-1 na receção ao Tondela da passada semana, com destaque para o regresso de David Simão, após ter estado lesionado. Mesquita e Vítor Bruno foram as restantes novidades.
O Moreirense, que conseguiu assim a terceira vitória consecutiva em casa, começou melhor, muito graças a um Tozé irreverente e aplicado, mas infeliz na hora de finalizar, como aconteceu aos 19 minutos, quando, de livre, a bola quase entrava na baliza, mas Vagner estava atento.
Numa primeira parte em que o emblema de Guimarães teve mais domínio de jogo, a melhor oportunidade até pertenceu ao Boavista, mas David Simão permitiu, na marcação de uma grande penalidade que castigava falta de Sagna sobre Fábio Espinho, a defesa de Jhonatan (22 minutos).
Até ao intervalo, o ritmo de jogo continuou a ser marcado pela equipa da casa e, aos 29 minutos, Tozé, pela esquerda, ultrapassou Idris e rematou forte, mas o guarda-redes ‘axadrezado’ defendeu com dificuldades para canto.

Na segunda parte, o Moreirense voltou a entrar com mais fôlego e a veia mais atacante acabou por dar frutos. Ângelo Neto aproveitou uma bola perdida à entrada da área e rematou com muita força para o fundo das redes à guarda de Vagner (52 minutos).

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Antevisão Moreirense FC - Boavista FC


DESLOCAÇÃO A MOREIRA DE CÓNEGOS
Moreirense FC x BOAVISTA FC
Segunda-feira, dia 9 de abril, 20h
Bilhete de campo: 10€
Bilhete + autocarro: 13,5€
Partida: segunda-feira às 18h30, na Pantera

Bilhetes disponíveis a partir de hoje, dia 4, na Secretaria- 9h30 às 12h30 e das 14h00 às 18h00 - até sexta-feira, dia 6 de Abril.
Sábado e domingo disponíveis na Loja Axadrezada – 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00.
Segunda-feira, disponíveis na Secretaria até às 12h30.
VAMOS TODOS APOIAR O BOAVISTA
A Provedoria do Associado


sexta-feira, 30 de março de 2018

Empate na Fortaleza após 5 Jogos seguidos a Vencer

BOAVISTA FC-1 CD TONDELA-1
Liga Nós 28ºJornada 2017-2018
30 de Março de 2018 - 20H30
Estádio do Bessa Século XXI
Árbitro:Bruno Esteves(A.F.Setúbal)

GR:Vágner da Silva   GR:Claúdio Ramos
DD:Carraça  DD:David Bruno
 DC:Nuno Henrique DC:Ricardo Costa
DC:Raphael Rossi  DC:Jorge Fernandes
DE:João Talocha DE:Joãozinho
MC:Idrís Mandiang  MC:Claude Gonçalves
 MC:Gilson Costa(Rochinha 65') MC:Bruno Monteiro
MC:Fábio Espinho  EE:Joca(Juan Delgado 75')
ED:Mateus(Kuca 81') ED:Miguel Cardoso(Hélder Tavares 87')
PL:Renato Santos  PL:Tyler Boyd
PL:Leonardo Ruiz(Rui Pedro 87') PL:Tomané(Heliardo 93')

Treinador:Jorge Simão               Treinador:Pepa

Cartões Amarelos:Renato Santos 26',Leonardo Ruiz 36',Joca 60',Miguel Cardoso 63' e David Bruno 87',João Talocha e  Joãozinho 88'

Golos:Leonardo Ruiz 30' e Tomané 39'



A formação axadrezada adiantou-se aos 31 minutos, por intermédio do colombiano Leonardo Ruiz, mas os forasteiros empataram oito minutos volvidos, aos 39, por Tomané.
Na classificação, o Boavista isolou-se, provisoriamente, no sétimo lugar, com 37, agora a cinco pontos do Marítimo (4-1 ao Feirense) e seis do Rio Ave (2-0 ao Estoril Praia), enquanto o Tondela é 11º, com 30, sete acima da linha de água.
Os ‘axadrezados’ procuravam o sexto triunfo seguido perante o seu público, mas tiveram de se contentar com uma igualdade ante, um adversário que chegou aos 30 pontos, 16 deles como visitante.
Com este empate, o Boavista soma 37 pontos e ocupa o sétimo posto, mais longe – a seis pontos – do quinto, e o Tondela encontra-se no 11.º e mais perto da desejada permanência, ao ficar sete pontos acima da ‘linha de água’.
O colombiano Leonardo Ruiz, aos 31 minutos, para os locais, e Tomané, autor de uma grande exibição, aos 39, para os forasteiros, marcaram os golos.
Eleito para o lugar do lugar do lesionado Yusupha, Leonardo Ruiz correspondeu à aposta que nele fez o técnico Jorge Simão marcando o golo da sua equipa, mas Gilson, um médio pouco utilizado, ficou aquém do que o treinador esperaria quando o escalou para substituir o também lesionado David Simão.
O menor rendimento de Gilson condicionou, pela negativa, o futebol que o Boavista apresentou, em especial na primeira parte, período em que o Tondela foi quase sempre melhor, criando várias jogadas de perigo.
A primeira situação de perigo coube ao Boavista e foi resolvida por Cláudio Ramos com uma defesa a dois tempos, mas a primeira ocasião de golo foi do Tondela e surgiu na sequência de um canto, aos 10 minutos, com Tyler Boyd a falhar o que parecia fácil.
Com um futebol intenso, simples e muitas vezes direto, o Tondela mostrou ambição, foi quase sempre muito mais perigoso do que o Boavista e, além disso, criou imensas dificuldades à defesa boavisteira nos vários cantos que conquistou na primeira parte.
Boavista viu-se em grandes dificuldades para conter o forte assédio ofensivo do seu opositor, com muitos cruzamentos e bolas pelo ar, mas, aos 27 minutos, quase marcou, quando Mateus atirou ao poste, e, aos 31, faturou mesmo, por Leonardo Ruiz.
Contra a corrente, o golo surgiu depois de um lançamento longo do central Raphael Rossi para as costas da defesa do Tondela que Fábio Espinho recolheu e Leonardo Ruiz, oportuno, aproveitou para inaugurar o marcador, à segunda tentativa.
O Tondela manteve-se fiel ao seu futebol e Tomané, aos 39 minutos, de cabeça, fez o empate, depois de outro canto e de várias situações de futebol aéreo com que o Boavista se deu mal.
A segunda parte começou com Tomané a introduzir novamente a bola na baliza de Vagner, após novo canto, tendo o árbitro anulado o golo após uma longa consulta ao vídeoárbitro. O avançado do Tondela estava ligeiramente adiantado.
Depois desse lance, o Tondela continuou a ser mais ameaçador e a levar a melhor nos duelos individuais e o Boavista respondeu, aos 67 minutos, num lance em Idris falhou, Leonardo Ruiz rematou e Cláudio Ramos evitou o golo.
Rochinha substituiu Gilson, aos 65 minutos, e, pouco depois, aos 72, fez uma grande jogada, rematou e a defesa do Tondela conseguiu rechaçar e, assim evitar que a bola fosse para a baliza.
Habilidoso e com um futebol enleante, Rochinha voltou a mostrar trabalho aos 80 minutos, num lance que ele começou e finalizou com um remate forte, desviado para canto por um defensor do Tondela.
Finalmente, o Boavista começou a respirar melhorar e criar problemas sérios junto a baliza de Cláudio Ramos, mas foi de Tomané, já nos descontos, o último grande momento deste jogo, com um remate forte que deu a sensação de golo e deixou Vagner paralisado. A bola saiu pouco ao lado.

segunda-feira, 26 de março de 2018

Antevisão Boavista FC - CD Tondela



SEXTA-FEIRA TODOS AO BESSA!!!!
BOAVISTA FC – CD Tondela

sexta feira , dia 30 de Março às 20:30

Preços dos bilhetes

Sócios: 3€

Sócios até aos 14 anos isentos de pagamento de quotas de sócio - ENTRADA GRATUITA

Sócios dos 14 aos 16 anos isentos de pagamento de quotas de sócio - BILHETE 3€

Sócios dos 16 aos 18 anos - quota de sócio 4,5€ - BILHETE 3€

Acompanhantes de Sócio: 7,5€ (cada associado poderá adquirir até 3 Bilhetes)

Público: 15€

Horário das bilheteiras: segunda a quinta, das 9h30 às 12h30, e das 14h00 às 18h00;
Sexta-feira, das 9h30 até ao intervalo do jogo,
bilheteira nascente: das 17:30 até ao intervalo do jogo

sábado, 17 de março de 2018

Grande Jogo até Tremeram

FC PORTO-2 BOAVISTA FC-0
Liga Nós Época 2017-2018 27ºJornada
17 de Março de 2018 - 20h30
Estádio Do Dragão
 Árbitro :Manuel Oliveira(A.F.Porto)


GR:Iker Casillas GR:Vágner Silva
DD:Maxi Pereira(Jésus Corona 85') DD:Tiago Mesquita
 DC:Iván Marcano DC:Nuno Henrique
DC:Felipe DC:Raphael Rossi
DE:Diogo Dalot DE:João Talocha
MC:Sérgio Oliveira MC:Idrís Mandiang
MC:Héctor Herrera  MC:David Simão(Vítor Bruno 33')
MC:Otávio(Olíver Torres 52') MC:Fábio Espinho
ED:Ricardo Pereira ED:Renato Santos
EE:Yacine Brahimi EE:Mateus(Stépahane Sparagna 68')
PL:Vincent Aboubakar(Gonçalo Paciência 80')  PL:Yusupha Nije(Kuca 81')

Treinador:Sérgio Conceição             Treinador:Jorge Simão


Cartões Amarelos:Nuno Henrique 23',Héctor Herrera 37',Vítor Bruno 43',Iván Marcano 66',Idrís Mandiang 68' e Stéphane Sparagna 83'.

Golos: Felipe 2' e Héctor Herrera 62'.




Um erro enorme de Vagner, guarda-redes do Boavista, foi o xanax com água que o FC Porto precisava. O tic tac do relógio apontava os 63 minutos e o dragão suava de olhos esbugalhados, assolado por dúvidas e medos compatíveis com um ataque de pânico.
Herrera aproveitou, fez o 2-0 e a equipa de Conceição partiu para os melhores momentos de um dérbi sofrido e com um Boavista corajoso e de qualidade surpreendente.
Vitória certa dos azuis e brancos, sim senhor, mas numa exibição irregular e conduzida pelo síndrome da vertigem desconhecida, como se o líder do campeonato ganhasse, súbita e inexplicavelmente, receio das alturas do topo da Liga.
Momentos antes de Herrera tomar a pastilha que a luva de Vagner lhe entregou, Iker Casillas fez uma defesa extraordinária a remate de Mateus e Sérgio Oliveira quase fazia autogolo num corte de cabeça apertadíssimo.
O Boavista justificou, por minutos, o rótulo que se perdeu algures na década passada – Boavistão, claro – e o golo que na altura lhe daria o empate.
Para se perceber melhor a exibição do FC Porto, talvez seja melhor outra imagem. O dragão passou o dérbi a desfazer a barba com uma catana, em risco iminente de perda de sangue e de pontos. Brincou com o perigo, amedrontado e trocista, convencido de que o golo madrugador de Felipe era per se equivalente a um dia completo de trabalho.
A entrada do FC Porto foi forte, fortíssima. Fez o tal golo por Felipe, manteve até aos 10/15 minutos uma pressão sufocante, mas a partir de dada altura expôs-se com erros primários em construção organizada e baixou os níveis de confiança.
Depois, lá está, Vagner borrou uma pintura até aí imaculada, o Boavista despiu o traje de Robin dos Bosques e os mais ricos (FC Porto) voltaram a mandar nos destinos dos mais pobres.
O dérbi teve emoção, resultado indefinido e duas intervenções muito importantes do VAR. Ambas acertadas. Vítor Bruno viu o cartão vermelho por entrada dura sobre Sérgio Oliveira, mas alertado por Bruno Esteves, o árbitro Manuel Oliveira consultou as imagens e transformou o vermelho em amarelo; no segundo tempo, Sérgio Oliveira fez golo de penálti – bem assinalado -, festejou com todo o banco de suplentes e depois viu o árbitro a correr para o monitor. Lance anulado, novamente bem, por Sérgio ter dado dois toques na bola na altura do remate.
O dragão segura a liderança, vence com justiça, mas sai do dérbi com a sensação de que esta foi uma das aparições menos autoritárias da época na condição de visitado. O xanax de Vagner foi a cura para grande parte dos males, mas há problemas que só vão ao sítio com terapia especializada